18 de fevereiro de 2018

Papo sério!

Como todo mundo já está mais do que careca de saber, eu nunca estou bem mentalmente. Sou uma pessoa impulsiva, exagerada, e tenho uma imensa carga de medo de abandono. Mas eu preciso entender, que quem quer ficar, fica, e quem quer ir, vai. - feche a porta quando sair - Apenas isso.

Mas não, fico me lamentando. Procurando aonde foi que errei, se fiz algo que incomodei ou algo do tipo. E acabo por chegar em nenhuma conclusão. Então vou seguir o conselho do Duda: " Apenas faça a sua parte. Não quer. Tudo bem vá com deus. " Ele está certo. TUDO ISSO me afeta. Principalmente na boca. Antigamente no meados de 2013, no auge da Ana e Mia. Eu fazia dietas, eu desmaiava em pontos de ônibus. Eu tinha até um certo vão nas coxas e cabia perfeitamente dentro de uma P e de uma calça 38. Eu já era bem fodida na mente. Mas não deixava a peteca cair tão facilmente. Hoje em dia, visto 44, e uso G. - pqp- É um puta salto. Eu sei disso. Mas eu apenas preciso parar deixar essas coisas de fora afetar meus planos. Repito mentalmente quase todos os dias: "Comer é um ato feliz. E você não está feliz." Mas ainda sim, não adianta absolutamente nada.

O problema que desistir disso, não é uma opção! Quem dera fosse. Eu simplesmente viraria a cara, e seguiria o baile, como o povo diz. Então novamente fiz uma tabela de calorias varia de 900 até nf. Não faço ideia de quando termina, só sei quando os dias caem na semana. Porque é meio que impossível fazer nf no domingo. Sei que são 4 dietas misturadas. Sei também, a tabela de metas. E quais metas valem pontos. E sei que o despertador, me avisa quando é pra comer. Ou seja eu tenho 4 refeições, de acordo com a hora, e de acordo com a quantidade. Fui no Armarinho Fernandes ( uma loja de utilidades), e vi uma balança de comida digital. Custava umas R$ 25, 00 por ai. Vou comprar mês que vem. Assim saberei as medidas corretamente. Inclusive vou comprar uma colher de sopa, que mostra as gramas também. - eu sei que parece sistemático - Mas sei lá. Eu estou tentando colocar tudo nos trilhos. E se for necessário fazer greve de fome, cá estou pronta. Outra coisa que comprei é um mini prato ( parece aqueles pratos de criança ) pra criança. Porém, não é. Tenho um preto, e tenho um pouco maior vermelho. Então vou comer apenas nele. Comprei um xícara azul grande para beber chás, principalmente o calmante. Ele é amargo, mas derruba a pessoa.

Agora vem a parte ruim... Eu não posso tomar franol, isso é mais do que lógico. Porque já tomo 6 tipos de remédio para tratar borderline e uma possível esquizofrenia. Um dia desses bebi meia lata de uma cerveja que gosto, meu pé virou uma imensa bola. Tudo por causa da Risperidona, sim estou tomando mais um remédio. - nem álcool , posso tomar - Por uma lado é menos calorias, mas por outro é tão bleh. Então vou tomar um outro remédio, que não não emagrece. Porém me faz dormir, e ficar bem lenta. Enfim, vamos nos esforçar para tirar o melhor desse ano.Pelo menos nisso, quem a Ana me leve a morte?
Ps: Para as coisas tomarem uma proporção um pouco mais drásticas tentarei postar mais vezes. Então me perdoem, pelo exagero! :/

17 de fevereiro de 2018

Ainda existe a Ana?

Com milhares coisas se passando na minha cabeça. A pergunta de 22 milhões de dólares é: A Ana existe ainda em meus pensamentos? Sim. A resposta sempre será, sim. Eu miei algumas vezes esses dias, umas vezes por passar mal, outras porque eu quis. Mas a Mia, é uma coisa e a Ana é outra situação.  A primeira coisa a ser pensada é a quantidade de mentiras, e frustrações nas quais ela me causa. Ela não é a culpada por toda essa merda. A culpada sou eu, que não sigo o jogo. Que não cumpro as regras. Que não levanto e cavo meu próprio buraco. Que na hora do almoço, eu só coma a sopa e jogue o pão no lixo. E depois, eu vomite tudo. E volte a cavar meu buraco. É mais fácil, quando você cava ele mais fundo.

A verdade, a verdade mesmo é que estou i-m-e-n-s-a ! Que tenho nojo quando meu marido toca em mim. Que tenho nojo, quando eu tomo banho, por isso evito tocar no meu corpo. Estou nojenta, feia, gorda, sem graça, nem com maior reboco eu ficaria bonita. Mas eu faço algo para mudar? Não. Eu continuo a comer, eles continuam a me engordar. Eles continuam a me entupir, como se eu fosse uma vaca pro abate.

E é preciso freia o carregamento dessas vacas, no qual eu estou. Eu preciso, olhar no fundo da minha alma e me perguntar: é isso que você quer lua? É isso? Ser gorda - ou- magra? Tudo esta nas palmas da minha mão. E eu tenho todas as chaves para a mudança. Só basta querer. Como a Ana diz: você não vai a lugar nenhum sem minha ajuda, sem minhas dicas, sem eu segurar seu cabelo enquanto minha amiga esta com dedo em sua garganta. Sem eu usar tua boca, para dizer que comeu. Para fugir para o quarto enquanto o estômago ronca por qualquer comida. É a sua chance, ou você emagrece, ou morrerá gorda. ps:Nunca é tarde, para mudar algo...

13 de fevereiro de 2018

Fingir ou não fingir ?

Como continuar se tudo o que você deseja é o fim? Esta é a pergunta que tem me pertubado todos os esses dias. O coração de suicida é uma coisa muito amarga, e cruel. Tudo o que você deseja é a morte, tudo que você quer é o fim. Um ponto final. E quando o que nós planejamos, simplesmente não acontece. Nós voltamos a vida normal? Comemos normalmente? Acordamos como se nada tivesse acontecido? Apenas sentamos na mesa, e fingimos? Perguntas ecoam nos 4 cantos da minha mente. Procuro respostas, e acho migalhas espalhadas num prato de ontem. Sem graça. Copos de café amargo, cigarro na ponta dos dedos, fumaça, e uma dor no peito. É pra comer? Não. É pra viver? hahaha, obviamente que não. Mais um dia se passa, mais horas se vão. As coisas tomam apenas um caminho, apenas um rumo. Vamos brincar de fingir! Eu coloco minha melhor máscara, e tu me diz que vai ficar tudo bem. Eu acredito, e me apego nessa farsa mal falada. 1.2.3.4.5 a morte bate novamente na minha porta. As máscaras caem, eu vejo a sua mentira. O fedor da falsidade está impregnando todo o ambiente. Tudo está quebrando, tudo vai desabar. Ora, Ora, Ora, acho que tudo voltará ao normal. Os números continuam no mesmo lugar. 191? Qual a emergência? - Uma garota morreu.



12 de fevereiro de 2018

A Falha

Os erros se acumulam sob as estantes, e móveis antigos. Existe gotas de mentiras por todos os cantos. Elas escorrem, e percorrem lugares escuros e pequenos para se esconder. Eu não vou limpar a casa. Elas terão de se acostumar, com as que já estão por aqui.
Algumas vozes alteradas, alguns murmúrios " a culpa é disto", "a culpa é daquilo", " não, não, não". É um escape, não. É, um alívio, não. Marcaram esta garota com punhos de ferro, mas não querem deixa-la ir. Ela precisa de limites, ela precisa de espaço, ela precisa, ela precisa, ela precisa, ela precisa... Números enfeitam a porta da minha geladeira. Coloridos, e divertidos, mais marcadas nessa boneca de trapo. As costuram estão ficando velhas, e uma hora ou outra as linhas vão estourar. E toda essa coisa morta vai se espalhar. É QUESTÃO DE TEMPO. A palavras expostas como corpos abertos num necrotério. É realmente necessário? Sim. Sim. É apenas mais para sua coleção, ela esta fora de controle. Se continuar dessa forma, não restara muito tempo.
Eu já não sei mais o que fazer. Estou de mãos atadas. Nem você, nem ninguém pode ajudar. Só podemos ver. Tudo que é necessário, já fizemos. Ela não quer viver. Ela parou de lutar. Ela não quer mais ajuda. Ela... ela, ela, ela, ela. Comprimidos, as respostas estão lá. Cartelas enfeitam o lugar. Poderia coleciona-las, poderia usar como adorno. Se não fosse  tão cruel, e sem vida. Errei. Errei, e não foi culpa minha, e sim do meu corpo. Expurgar tudo, como se não fosse nada. Tremer. Sofrer. Se contorcer, a ponto de convulsionar não é algo esperado.
Agora tenho novos amigos, números coloridos enfeitando minha geladeira. Verdes. Azuis. Roxo. Laranjas.  Vermelho. Vinho.  Amarelo. Como tornar a vida de um cadáver feliz?

6 de fevereiro de 2018

Goodbye

Sabe quando a televisão cai naquele canal que não funciona, e só tem aquele barulho de estática? Aquela coisa que te deixa desconfortável, e é incrivelmente irritante? Minha cabeça está da mesma forma. Estou tendo crise, atrás de crise. Meu vício em remédios está se tornando mais forte cada dia. As coisas não estão funcionando. As coisas não estão bem. E quando digo isso, não quero dizer que é apenas uma queda de humor. Não. Desta vez não. É realmente uma situação de perigo. Uma situação que vai além do que eu possa imaginar. Essa dor vai acabar de um jeito, ou de outro. Eu sinto ela aqui, e ela está preste a me levar. E desta vez, não vou impedir, ou vou apenas tomar alguns comprimidos e esperar. Vou usar métodos eficaz, vou apenas ir. 20 segundos de coragem insana. 20 segundos de loucura. 20 segundos para morte bater na minha porta. 20 segundos para eu arder no inferno. 20 segundos para meu espírito queimar. 20 segundos para fechar as cortinas do mundo. 20 segundos para pular. 20 segundos para terminar o que devia ter terminado naquele hospital. Ninguém vai impedir, ninguém vai me salvar. Para aqueles que ficam, quem sabe a gente se encontra outra vez. Porque desta vez eu vou deixar a casa da loucura. As luzes vão se apagar.


2 de fevereiro de 2018

Apenas mais um mês...

Enfim chegou fevereiro, sim, o ano não da pausa. Ele tem pressa. Ele te abandona, se você quiser acompanha-lo, corre, se não quer, você será apenas mais um perdido nesse mundo. Não mudou muita coisa desde a postagem anterior. Ainda continuo no poço. Para ser sincera, eu já sei que não sairei de lá. Eu grito mas ninguém ouve, e se ouve fingi eu não estar ali. Apenas esquece Lua, a voz diz. Quando você se acostuma a ser uma merda, é difícil você seguir em frente. Eu só penso: VOCÊ É UM ERRO. Um enorme, e imenso erro. Um acúmulo de falhas, um acúmulo de erros. E isso esta estampado na minha cara. Já nem faço questão de esconder as máscaras. Foda se eles. Foda se tudo. Do que adianta fingir? Se você está apenas enganando a si mesma?

Continuo gorda. Mas até que isso está entrando nos eixos. Penso duas vezes antes de comer, e antes de comprar algo que eu vá me arrepender. Não vou dizer que é todo dia, como eu gostaria. Mas está sendo mais recorrente. Um exemplo foi hoje...
Hoje eu tinha hora marcado no tatuador. Era as 15, e tomei já de cadeira até as 16:50. E lá estava eu deitada numa maca, em um estúdio, encarando os desenhos espalhados na parede. Enquanto o tatuador me fritava na máquina. Eu escolhi uma tatuagem meio gótica, tá, a maioria das tatuagens que tenho é meio gótica. Mas essa é mais... [ farei um post de atualização de tattoo e piercing em breve ] Depois de sair enfaixada e com umas gotinhas de sangue cobrindo o desenho. Fui até o mercado. Faltava pão, e papel higiênico. Peguei rapidamente esses itens. E de repente me dei por conta, avaliando o corredor de bolachas recheadas. Todas brilhantes, de todos os sabores e marcas. Eu estava com fome, pois não tinha comida. E lá vem as vozes diabólicas: Come só um. Compra. É apenas hoje. Olha que barato. Você quer, eu sei que quer. Espantei as vozes, e sai em disparada pro caixa. Guloseimas enfeitava o caixa, açucaradas, cheias de corantes e aditivos, e aromatizantes. Todas pulavam na minha mão. Mas as rejeitei. E senti um pouco de orgulho! Sempre temos escolhas, comer ou não comer. Ser gorda, ou não ser.

Peguei um táxi, e vim pra casa. Organizei, tudo e fiquei de bobeira no celular na sala. A rotina tem sido uma fiel amiga. É bem raro, quando tem algo que me distraia por muito tempo. Este fim de semana, eu ia sair com minhas primas e uma amiga. Íamos 'pular' carnaval. Mas... Eu já tinha me decidido uma semana antes, que não queria ir. Ainda mais porque nós íamos de body, e sai tule. Ou seja, eu ia ser um botijão cheio de frufru. [deeeeus me livre] Mas não ia ser nada mal, sair um pouco de casa.

Mas me contentei em comprar meus vícios em remédios. E logo tomos eles, e apago na cama. E acabou carnaval, acabou festa, acabou tudo. E eu não nem sou fã de carnaval. Para ser completamente sincera. É uma época bem chatinha. E eu ando tão triste, tão cabisbaixa. Não sinto vontade de nada para ser sincera. Eu só vou fazer as tatuagens, porque gosto da arte. E gostaria de gravar na pele, apenas por isso.
Eu não espero muita coisa de fevereiro. Porque toda santa vez que desejo coisas boas pro mês, acaba tudo virando ao contrário. E quando deixo o barco ir, o barco afunda. Então não espero nada, apenas sobrevivo um dia após dia, até um dia em que eu me cansar.
ps. Estou lendo IT: A coisa de Stephen King, estou gostando... E o fim de Caçadora de tempestades, é muito bacana. O visual mental que tenho deste livro, e lindo.




29 de janeiro de 2018

Notícias

Desde a última publicação, as coisas não melhoraram. Eu nem se quer abri o computador para absolutamente nada. Nem mesmo ver notícias, ou qualquer coisa do tipo. A vontade é zero, a força é zero também. É tão frustrante quando você tem algo em mente, e tudo saí completamente errado. O mês de janeiro já esta no fim, e eu não fiz praticamente nada. A não ser ir ao Ortopedista. De resto, só problemas e mais problemas.

Eu realmente tive que comprar outra geladeira. Desta vez, escolhi uma geladeira bem simples. Nada de muito luxo como esta última. Esse mês de fevereiro, eu vou ficar bem apertada. Pois eu não sabia que iria vir tantas coisas ao mesmo tempo. IPTU, geladeira, eu comprei uma janela nova para meu quarto,  fora as outras coisas. Vai ser bem, mas bem apertado mesmo. Mas a vida do brasileiro é isso, sobrevive para pagar as contas.

Eu estou cada dia mais me afundando na minha própria dor pessoal. Não, consigo lidar com poucas coisas. Estou com pouco rivotril, tenho crises, cortes, alucinações, medo. Não sei bem o que fazer, só sei que tudo está uma verdadeira merda.

Estou ocupando a mente, tentando ler. Hoje terminei Caçadora de Tempestades, eu super indico. É muito bom, e tem muita ação. E aquele tipo de livro, que você fica curiosa a cada página. Foi bem baratinho, paguei 10 reais na feira do livro em shopping aqui perto. Na sexta passada, eu saí com a minha tia. E ela me presenteou com o IT. A coisa ( Stephen King ) e Penumbra  ( André Vianco ). Eu já tive livro desse autor, só que dei pra minha tia. Não consigo me lembrar o nome, mas era muito bom. Estou em dúvida, se leio Penumbra ou A Noite mais escura do ano ( Dean Koontz) que eu já comecei a ler, mas larguei, e já me esqueci da história. Só sei que é um triller. Eu planejo comprar mais livros, nem que seja em cebos. Pois é a única coisa que tem me "alegrado" um pouco. Além de manter minha cabeça longe, de todas as merdas que eu penso. Quem puder me indicar livros, eu aceito de bom grado. Só não sou fã de romances, a não ser que tenha um suspense e tal.
ps. Eu prometo, que amanhã visito os blogs de vocês!!