17 de julho de 2018

Contar calorias?

Contar calorias não está sendo nenhum pouco fácil. Está me causando muita ansiedade, e muita neura. Se passo as calorias, fico neurótica, mesmo queimando com algum exercício. Eu sinto que é melhor da uma pausa, não uma pausa na dieta. Mas sim uma pausa nesse negócio de contar caloria.

Eu sei que quem sofre de t.a sempre tem essa mania de dizer, que não vai contar, mas acabam contando mentalmente. Tá. Mas eu vou dar uma pausa, da última vez que fiz isso funcionou. Acho que é por isso que nunca dou certo fazendo dietas fechadas.Eu vou comer as mesmas coisas, ( porque daí já sei a média das calorias) e vou fazer exercícios para queimar.

Ontem fui na psicóloga ela disse que sente que eu emagreci. Eu disse que não, mas ela disse que sim. Disse que não enxergo essas coisas porque eu quero milagres, e milagres não existem. Em partes ela está certa, em outras elas está errada. Eu realmente não enxergo que emagreci, e muita gente também não. - meu marido é um deles, tenho certeza -

Enfim, só queria atualizar que abc não vai dar certo, enquanto eu estiver me sentindo assim. Vou continuar a tentar comer pouco/ beber água/ fazer jejuns e entre outras coisas que eu estava fazendo. Mas tudo continua na mesma, acho importante dizer isso. Afinal foi assim que perdi os 8, foi sem ajuda de dietas fechadas mesmo. Não sei porque eu invento tanto, aff. -.-

14 de julho de 2018

Planejamento #1

Oi pessoas, como você estão? Espero que melhor que eu.
Ultimamente tenho falado do meu humor, das minhas dores, e meus problemas nos posts. Mas não tenho comentado muito sobre o que fiz pra perder 8 kg/ e nem o que estou fazendo para perder o resto. Gente eu engordei, engordei mesmo. Depois que comecei a tomar TORVAL CR que é um remédio que detonou meu corpo de todas as formas que vocês possam imaginar.

Resumindo, o remédio me engordou. Não 5, ou 10 kg, mas me engordou muito mesmo. Eu conversei com o psiquiatra, e disse que não ia tomar mais ele. O médico trocou por Risperidona, já que eu estava tendo episódios de esquizofrenia. Juntou ao útil, e o mais útil ainda. Nossa melhorou 80%, não sinto mais aquela fome descontrolada, e nem sinto dificuldades em emagrecer, como sentia antes.

Eu fiz o básico do básico mesmo, aquela velha história. Lfs,com nfs, mais lfs do que nfs para ser sincera. E bebi muito chá verde, sim, chá emagrece. Vai com tudo amiga! Mas meu paladar ficou horroroso para chá, hoje em dia bebo sem fazer careta. Mas sabe como é, vem aquele enjoo e da um nojinho das ervas. Mas ou é chá, ou é bolo. Qual emagrece?

Estou batendo na tecla de fazer ABC, eu estava tentando fazer a ABC sem nfs. Mas decidi fazer a modificada 2, a única diferença que ela tem é que os nfs caem em dias diferente da semana. E por incrivel que pareça eu nem precisei mexer nela, ela caiu como uma luva mesmo.

Contando a partir de amanhã, bati 48 dias até meu aniversário de 27 anos. E eu quero estar mais magra, e consequentemente mais animadinha com meu corpo. Não estou estipulando meta nenhuma, isso é importante ressaltar. A minha meta é fazer a dieta sem errar, sem ter compulsões. Apenas isso.

É difícil, é difícil mas não é impossível. Tudo precisa de um pouco de esforço, de luta, de amor, de vontade. O resto é consequência, com toda a certeza. Conforme passar os dias, e eu vier atualizar, falar de coisas aleatórias, ou falar apenas de dieta, eu vou comentando como eu estou indo. Fiz a lista no caderno, para me obrigar ver as calorias que ando comendo.

Então a partir de amanhã, todo post que eu fizer terá uma thinspo, isso indica que eu estarei fazendo a dieta. Eu preciso levar a sério meu emagrecimento, eu preciso emagrecer, pra ontem! Ano que vem eu não vou ter tempo de me preocupar com isso, porque com certeza terei milhares de questões para resolver. Então eu preciso resolver meu corpo este ano!  

Minha psicóloga já esta sabendo dos meus problemas alimentares. Ela me deu dicas, mal sabendo ela que isso só me ajudou. Vou por em prática novamente, eu já estava, mas descambei ladeira abaixo depois de alguns problemas. Bem é isso, só não vou falar o meu peso porque não me sinto bem falando de números tão grandes. Mas creio que em breve não terei problemas em revelar o meu número.
Desculpem o post gigante.




9 de julho de 2018

Marcas de guerra

Eu não sabia que o post anterior iria ter uma repercussão tão grande. Desde já agradeço por cada mensagem de carinho. Eu estava desabafando sobre uma coisa que estava me machucando, porque eu não estava sabendo dizer o que estava acontecendo, e vocês me acolheram. Obrigada.

Eu estava pensativa hoje, analisando as minhas cicatrizes de cortes no braço. Quantas lutas travei, e perdi. Não considero as marcas como uma batalha vencida. Mas considero uma guerra que travei contra mim mesma. Eu não sinto vergonhas dos meus cortes. Sinto mais vergonha de uma estria, do que dos cortes. Se não fosse algo tão polêmico, eu sairia numa boa de shorts na rua. Mas ninguém iria entender, e provavelmente iriam achar que sofro agressão por parte do meu companheiro.

As cicatrizes que tenho no meu braço esquerdo é muito visível. Mas as pessoas olham e ficam quietas, ou não querem acreditar, ou fingem não ver. E eu finjo que elas não estão vendo também. É mais fácil assim! Sempre será. Estive a pensar, em como eu fui parar numa situação tão difícil... Eu sempre imaginei, que com 27/28 anos eu estaria terminando a faculdade. Já teria meu carro, já teria viajado para outro país. Estaria namorando/ficando com outras pessoas, adquirindo bagagem para ter uma vida "saudável" . Mas quem diria?! Eu tenho 26 anos, tenho 4 tentativas de suicídio, fui diagnosticada com Transtorno de Borderline, e inicio de Esquizofrenia, e tenho ansiedade crônica, casei cedo, não tenho faculdade, mas me formei TST, não trabalho, sou uma completa parasita.

Eu NUNCA imaginei que minha vida fosse andar por esse caminho. Nunca! Sinto uma náusea quando penso que minha vida escapou por entre meus dedos. Não entendo o que fiz de errado, qual foi motivo que a vida me derrubou, e eu não consegui levantar. Eu não sei lidar com os problemas normais do dia a dia. Tudo me afeta, e me afeta demais mesmo. Pode ser algo normal, mas acaba me afetando tanto que não durmo, e não paro de pensar na tal coisa.

Aí é que vem a lâmina, que vem os cortes, que vem a vontade de ver o sangue. Esses dias atrás eu me cortei tanto, que fiquei sangrando por dias a fio. Minhas unhas cheiravam a sangue, minha blusa está manchada de sangue. Abri um que poderia tomar pontos, mas não contei nada, simplesmente usei a braçadeira, e deixe o sangue vazar por ali. Uma hora vai parar, eu pensava. E parou, agora sobrou apenas as marcas, tudo que eu sou, tudo que eu fiz, se resume apenas nisso. Uma garota que se perdeu num bosque, e achou uma lâmina, ela corta a maldade, e a maldade vaza pela pele dela. Ela não sabe, o porquê ela faz isso, só sabe que ela gosta do que vê. É isso que me tornei, um parasita.

xx
A dieta está indo bem. Já totalizo, a perda 8,5 kg. Eu sei que preciso perder mais, mas o pouco que perdi já me deu um ânimo. E minha coluna melhorou uns 70 %. Queria tanto ter ânimo, e força para fazer alguma atividade física. Mas nada me anima, nem mesmo caminhar. Aquela minha prima me chamou para correr, mas não consigo ficar perto dela, nem para conversar e imagina fazer isso. Quando eu tiver dinheiro sobrando, vou comprar uma esteira e vou tentar fazer yoga em casa. Pelo menos é algo que eu gosto, e como as aulas são bem silenciosas talvez me de um paz de espírito, quem sabe isso não seja um ponta pé para eu mudar, e fazer alguma atividade física.

5 de julho de 2018

Tombo

Eu ando realmente muito pensativa sobre tudo na minha vida. A primeira coisa que eu posso dizer, é que nada dura para sempre. Antigamente eu tinha uma amizade muito forte com a minha prima, era uma amizade linda. Todo mundo tinha inveja. Saímos juntas, íamos para escola juntas, colocava piercings nos mesmos lugares, saímos para as baladas juntas. Nós éramos donas do mundo, assim posso dizer.

Mas as coisas mudam, os ventos sopram para outras direções. Ela teve um filho, e o carinho e o amor foi para o filho dela. Eu me casei, e meu amor e carinho, foi todo para o esposo. Ela mudou de cidade, eu continuei no mesmo lugar. Ela seguiu com a vida, e eu parei com a minha.

É as coisas mudam. Só a adolescência pode enganar, a vida adulta não engana ninguém. Quando você sente a primeira gota de sangue entre suas pernas, você sabe que muita coisa irá mudar. Tanto no seu corpo, quanto na sua mente. 

Não adianta fechar os olhos, e fingir que não vê. Só não vê, quem não quer, como se diz a história.

Era por volta das 11:00, quando ela me mandou uma mensagem dizendo se eu podia sair com ela. Ela ia comprar coisas para a nova casa. - eu não queria ir - Mas achei que seria falta de educação, ou qualquer outra coisa, não acompanha-la. Me arrumei, fazia 28 graus, e eu estava toda de preto. Num ponto de ônibus enquanto espero ela. Enfim, quando ela chega, ela me beija de modo desconfortável, e eu retribuo da mesma maneira.

Em meio a potes, frigideiras, gotas de incertezas pingam na minha cabeça como uma bolsa de soro, pinga nas veias de alguém que esta em um hospital. A cada gota, meu corpo estremece dizendo que não era para eu estar ali. Mas continuo andando por todo lugar, pensando aonde foi que nós erramos.

Mas eu percebi que nem uma, nem a outra errou. Apenas a vida seguiu, conforme o planejado. Quando o carro para enfrente a casa dela, eu entro desajeitadamente na casa, e vejo ela lavar as coisas novas, para por em uso. - eu quero ir embora, estou com vergonha, eu quero minha casa, - Até que finalmente eu digo, "tenho que ir pra casa, uma pilha de louça me espera". - Mentira - Eu sabia que o meu marido provavelmente já havia lavado.

Mas foi a única desculpa que eu tinha em mãos. Subi a rua, com o coração partido em mil pedaços. É duro você perceber que sua amizade, todo esse tempo foi baseado em um suporte. E esse suporte, simplesmente acabou. As memórias boas, serão lembradas com muito amor. As ruins, serão lembradas como aprendizagem. De resto, eu prefiro a minha solidão. Ela machuca, mas não tanto quanto o ser humano. E de repente minha tatuagem, fez tanto sentido.

xx

Eu decidi tentar pela milionésima vez fazer a ABC no fasting. Eu queria muito conseguir termina ela, e ver que meus quilinhos ir embora. Quem sabe desta vez, quem sabe...

1 de julho de 2018

Promessas vazias

O ano ta correndo, e eu não estou conseguindo acompanhar. Pelo visto será mais um ano perdido, mais um ano jogado fora, mais um ano inútil. Eu já me prometi tantas coisas, já jurei tantas coisas e todas as coisas acabam num imensa lata de lixo.
Não consigo nem mesmo escrever " Seja bem vindo Julho", porque sei que será mais um mês bosta. Sim, você está lendo um blog de uma pessoa muito negativa, tóxica, tanto quanto a própria morte.

A minha vida nunca caminha para frente, é sempre para trás. E, sim eu já me acostumei com as coisas dando errado. Eu já nem me surpreendo mais, só fico pensando: mais um merda pra eu acumular na minha cabeça.

O ruim de ser Borderline, é que ao mesmo tempo que você quer por apenas um instante: fazer planos, seguir uma dieta, levantar o rabo da cama, desbravar o mundo, em menos de minuto você quer que a cama te engula, mastigue, e engula. É uma coisa de louco, ter essa doença maldita.

Entrei o mês super bem, o braço todo fodido. Não bati a meta de peso do mês de Junho, estou estagnada. Quanto mais tento, mais faço coisas erradas. Estou cansada, estou farta de tudo e todos. Tudo envolve comida, tudo envolve discussões banais. CANSADA. Sinto uma imensa dor no peito, como se eu tivesse tomado um tiro de 12, que fez um buraco gigantesco no meu peito.

Não desejo nada para este mês, NADA. Nem que eu perca peso (chega de se iludir), nem que eu pare de me cortar, nem que eu ganhe na mega sena, não desejo nada. Porque sei que tudo que eu desejar, vai virar contra mim, como uma conspiração do universo. Chega de promessas vazias, promessas quebradas, chega de se iludir. Esta na hora de acordar pra vida, e encarar que nada vai dar certo, apenas aceite Lua, aceite. 

30 de junho de 2018

Vestida de Preto

Na quinta-feira tive a crise, fiquei mal/estou mal. Ontem passei o dia todo vendo filme de terror, não tinha apetite (claro que isso é ótimo), tomei algumas xícaras de chá verde como se fossem água acredita? O amargo, não era tão amargo quanto minha própria vida.

Fiquei sozinha uma boa parte do tempo, jogada no sofá como um cobertor esquecido. Me cortei mais pouco, desta vez mais fundo. O sangue percorria meu braço, querendo encontrar o sofá, e eu aparando com o papel higiênico. Enrolei em outros papéis para minha mãe não achar.O meu braço está totalmente rasgado. E a cada corte que faço,  MAIS corte me da vontade de fazer. Enfim...

Comi uma maçã, e esperei o boy chegar. Minha mãe queria que eu saísse, para "arejar" a cabeça. Mal sabe ela que os meus problemas andam comigo. Mas acatei a ordem, tirei o shorts manchado de sangue que eu estava, tirei a braçadeira, coloquei uma blusa preta, uma calça preta, uma meia preta, e um all star preto. - totalmente de preto - Acertei a sobrancelha (porque eu não gosto da minha) peguei a bolsa que também é preta, e saí. Andei um pouco pelo Daiso, tinha muita coisa legal pra comprar mas cadê o dinheiro?

No final, fomos numa lanchonete e pedimos um lanche. Comi com cara de quem não queria, falei pouco, e boy sempre puxando assunto. E eu tipo, "Ãh? a ta, hanrram, hum, é? ah". Andamos mais um pouco em direção a saída, e fomos embora.

Quando cheguei em casa, a minha mãe ainda não tinha chegado. Cortei mais um pouco o braço, e desci as escadas, com cara de quem não fez nada. Ela fez o jantar pra mim, eu quieta como sempre, ela quieta também. É mais fácil assim, acredite. Tomei alguns comprimidos, e guardei dinheiro para comprar mais lâminas. Vamos se auto destruir Lua, vamos morrer de fome, é isso que vamos fazer.

29 de junho de 2018

Auto Mutilação #1

Eu criei essa tag, no intuito de descrever em detalhes para quem não entende sobre auto mutilação. Muitas pessoas tem um visão muito banal sobre isso.
A primeira coisa a se saber que é muito cortes (meus) ás vezes não são feitos por causa de dor, raiva ou sofrimento. As vezes  é apenas uma vontade de ver o líquido vermelho escorrer. Eu sei, eu sei, é macabro isso. Mas estou expondo o que eu passo.

No atual momento me encontro tendo uma crise de esquizofrenia. - como eu consigo escrever? - Bem, já encheram meu toba de remédio, no atual momento me encontro mais lúcida, e obviamente drogada. No meu caso, eu sinto uma enorme pressão no cérebro, sinto vontade de quebrar as coisas (como já fiz) sinto vontade de machucar. " Ah, Lua de onde vem isso? " Eu não sei. Essa é a resposta que eu te dou.

Eu apenas retiro a lâmina do meu esconderijo, vejo qual está mais afiada, e rasgo o lugar com um pouco de força. As vezes com tanta precisão que faz uma linha rápida. Outra com um toque mais de desleixo, e saí tudo torto. Sempre seco o sangue que vai escorrendo com papel higiênico. As vezes eu tomo banho e deixo a água entrar em cada rasguinho.

Não sinto dor, nem mesmo quando é aqueles profundos. Eu sinto uma leve pinicada. E depois uma corrente como se eu tivesse cheirado um pino inteiro de cocaína. Não sinto vergonha das marcas dos cortes, mas também não sinto prazer em vê-las. Eu apenas sei que elas estão ali, paradas, marcando minha guerra contra as doenças. Algumas seres humanos (idiotas) acham que quem se mutila quer chamar atenção, eu vivi 6/7 anos sem minha mãe nem imaginar que eu tinha cortes pelo braço ou nas coxas. Tem noção disso? Eu não uso shorts, nem biquíni. (eu também nunca usaria com esse corpo)

Tudo bem que a maior concentração de cortes é nas minhas coxas. Mas meu braço esquerdo, é totalmente fodido, FODIDO MESMO. Tenho aquelas queloides por causa dos cortes profundos. Marcas que fiz quando me cortei com porcelana. Não tem um ser humano que não olhe pro meu braço, e fica se perguntando de onde vem essas marcas. Porque nem sempre da pra sair de blusa de frio. Eu moro no Brasil, é calor a todo momento praticamente.

Nesse atual momento, estou com sei lá 15/18 cortes semi profundos no meu braço esquerdo. Está saindo muito sangue, enrolei um papel higiênico (já que não tenho gases) e prende com minha braçadeira. (eu pedi que minha mãe costurasse um tipo de braçadeira que vá até o cotovelo) Porque eu fiz isso? Porque eu sou uma completa inútil. Ao invés de se matar logo, só fica pensando na morte da bezerra.

Quando  a gente escolhe um objeto (ou até mesmo o próprio punho) para nos machucar. Não é frescura, é pedido de socorro. Eu sei que as pesquisas indicam que quase a metade dos Borderlines se cortam apenas para aliviar a dor emocional. Mas... Se um dia alguém de nós tiver uma coragem insan por 20 segundos, e nós decidirmos traçar uma única linha, que é a morte?

Eu sei que vou morrer, de alguma forma, de alguma maneira. Quando, onde, eu não sei, só sei que vou morrer. Eu vou acabar com aquilo que comecei anos atrás. E não haverá muita coisa para me despedir, pois essa vida que levo é uma fardo na vida dos outros. As pessoas não vivem por causa de mim. E eu estou cansada de tudo isso. Cansada de me sentir um peso nas costas de quem merece ter paz. Eu devia apenas morrer...