10 de novembro de 2015

A Amaldiçoada




" Ela odeia essa vida mediocre que ela diz que ' vive '. Ela se nega, a querer fazer alguma coisa por ela. E por muitas vezes, ela cutuca as suas próprias feridas. Ela se nega, a enfiar comidas dentro do estômago dela. E quando ela cede, e enfia, ela quer morrer. Ela se odeia, ela chora e pensa várias vezes em bater a cabeça dela na parede em um só ritmo. Ela pode ser a rainha do exagero, pra quem lê, esse monte palavras desconexas. 
Mas no fundo você não quer ver ou ouvir o que passa dentro dela. Ela não é quente, e doce. Ela é amarga, ela é dolorida, ela é uma confusão de pensamentos não lúcidos. Ela é vazia, ela é um simples corpo de uma jovem normal, porém vazia. Não há nada que possa preenchê-la. Ela desde criança diz, que não teme a morte. Pois sabe que morreu na hora que nasceu. Foram anos de sofrimento, anos de abusos, anos de humilhações. Essa garota ainda está viva? 
Não, ela não está viva. Ela está morta, os pais dela á matou. O mundo triturou todos os ossos dela. A infância roubou o sorriso inocente dela. A adolescência, fez ela querer morrer diversas vezes. A fase á adulta cortou sua pele, drenou seu sangue, tirou sua força vital. 
Certo dia, indo trabalhar com sua mãe. Estava esperando o trem das 7. O trem se aproximava aos poucos, e ela se viu nos trilhos. Andava de um lado para o outro, enquanto trem se aproximava. Tocou sua busina alta, tentando alerta-la que o trem iria matá-la. Mas nada adiantou, o trem passou sobre seus ossos frágeis. Sua carne estava espalhada nos trilhos do trem das 7. Sua cabeça foi projetada para fora da linha. Ela ainda viu sua mãe chorando, e gritando seu nome na plataforma. 
A busina tocou novamente, e ela acordou. Sua mão estava pálida, e percebeu que teve uma visão de sua própria morte. Sentiu vontade  de fazer exatamente o que sua mente havia mostrado. 
Mas não... Novamente fraquejou, seus pulsos coçando por causa dos cortes. O trem lotado, e ela ainda tentando entender, porque ela é tão inútil e fraca. Mesmo não temendo á morte, não conquistou ela, mesmo em meio á tantas tentativas. 
Ela se sente um nada. Um corpo oco, sem alma, sem vida. Ela foi amaldioçada, á vagar por está terra sem vida. Porque nem mesmo á morte  quis ela como companhia. " 

Autora: Lua Ana & Mia 

8 comentários:

  1. Força Sol, já sabe se precisar de ajuda!
    Como eu disse, não se envergonhe... PROCURE E SEMPRE HAVERÁ ALGUÉM QUE POSSA AJUDAR!
    Força menina! Sei que tem!
    beeijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. " Sol "? hehhe
      Obrigada Dana, você foi um verdadeiro anjo. Me dando um iper apoio hoje. ٩(๑❛ᴗ❛๑)۶

      Beiijos da Lua ❤

      Excluir
  2. Oi, Lua ♥
    Eu já disse que o blog ficou lindo com essa imagem de fundo?!
    Você sabe que escreve bem, não é? Consegue expressar de um jeito único os sentimentos. Só lamento que esses sentimentos tenham que ser tão ruins e que tenha passado por situações que a fizeram desejar a morte.
    Só quem tem na alma feridas difíceis de fechar é que pode entender essa dor.
    Obrigada pelos comentários e por seu carinho.
    Um abraço bem forte pra ti!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não ainda não falou ... (*˘︶˘*)
      Eu acho que não escrevo bem, eu apenas me expresso o que sinto. Ou o que eu vejo...

      Beijos da Lua »» ♥

      Excluir
  3. Olá Lua linda,
    preço desculpas por não poder te ajudar como deveria. Com o que fiz hoje (como você sabe) não consigo conversar, a vontade que tenho é cavar um buraco e me jogar dentro. Não poderia dizer nada que pudesse ajuda-la

    I'm sorry

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tudo bem...
      Não há porque pedir desculpas, anjo.

      Excluir
  4. Respostas
    1. Sim, uma grande parte.
      E outras em problemas de outras pessoas. Mas o texto é e não é eu... Talvez seja um pouco de tudo, e de todos.

      Excluir

Gentiliza gera gentileza, por favor respeite meu diário. Deixei seu nome e o do seu blog, que lhe faço uma visita assim que puder.
Obrigada <3