15 de novembro de 2015

Loucuras da Cat (Cat #1)



Ela se encolhe no canto da cama. Sente frio e muita fome. Os lábios estão todos cortados, e as casquinhas que se forma, ela tira com os dentes. As vezes com tanta força, que sente o gosto do próprio sangue. Ela se está coberta com 3 cobertores mas ainda sente muito frio. Pensa, uma ou duas vezes em sair da cama, para pegar um edredom. 
Está ventando lá fora, e parece que vai cair uma tempestade. Ela devia ter terminado á lição de casa, mas as dores no estômago não deixou ela em paz. A mãe está subindo as escadas, e ela confere para ver se seu corpo está totalmente coberto. Ela abre á porta... 
- Oi querida, desce vamos jantar? 
A palavra jantar pisca na sua mente como luzes de natal. Com á porta aberta ela sente o cheiro e o tempero da comida... Arroz com espinafre; Frango Assado com ervas acompanhado com batatas; vagens no vapor; e lentinhas. Ela simplesmente responde... 
- Mãe comi alguns salgadinhos e chocolates antes da hora de jantar - Ela mente facilmente, como se realmente tivesse comido tudo isso. A mãe olha bem para filha, e resolve acreditar nela... 
- Okay, mas eu lhe digo, fiz um jantar maravilhoso. E agora você está cheia de porcarias, depois reclama que o seu estômago está ruim
Ela sorri com malícia, e observa á mãe fechar a porta com cuidado. O cheiro da comida está totalmente impregnada nas paredes do quarto, em cima dos móveis, grudado nas roupas. Ela se levanta, e usa seu perfume de ambientes para retirar todo aquele odor. 
Ela se senta na cama, sua cabeça está rodando. Seu estômago está pedindo frango com batatas, e sua mente só pensa, " que nojo, crédo, não posso ". E começa uma batalha entre ela e a gorda que há nela. Ela abre a porta pensa em descer e comer tudo que está na mesa. Mas á Ana que está dentro dela, fecha porta rapidamente. Ela tenta abrir, mas á Ana está sentada na cama, rodando a chaves no dedo magro dela. Ela se encolhe na porta, começa á chorar. Sente vontade de gritar, mas não grita. Depois, de alguns minutos ela se levanta. Pega á chave da mão da Ana, destranca á porta. Deita na cama, e á Ana também deita. Ela alisa seu rosto com carinho, e sussura... 
- Parabéns por mais um dia minha perfeita...
Ela fecha os olhos, e sorri. E dorme calmamente, mesmo sabendo que ela aquilo não era normal. Mas para ela o que realmente importa, e vencer o dia, e deixar o estômago reclamando o dia todo.

Autora: Lua Ana & Mia

Nota: Cat, será um personagem vivo. 

16 comentários:

  1. Por favor me diz oq ta te motivando, eu preciso sentir isso novamente, quando eu deito a unica coisa que tenho sentido é culpa, preciso dessa sua sensação em mim

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fê, estou quebrada, destruída.
      O pouco me mata, e o muito me quebra. Mas vou me reeguer... Faça o mesmo!!

      Excluir
  2. Gostei do texto! Me lembrou muito o tempo em que eu fazia nf's, o cheiro de comida alastrava o quarto e eu sempre era convidada à comer.
    Fiquei um pouco curiosa quanto a nota no final do texto. Cat é real? Você disse que ela "será" o personagem vivo, não entendi muito mais o texto é ótimo!.
    Abraço querida <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada ! ^^
      Então, Cat vai ser real.
      Não é uma, mas é milhares, não tem rosto, mas é vivente. Você vai ver... :)

      Excluir
  3. Sabe aquele momento em que você consegue ver o próprio reflexo em um texto que não é seu, e sente-se triste por saber que mais alguém compartilha da sua realidade?
    Estou vivenciando esta experiência agora.

    Cat tem o mesmo mau hábito que outrora eu tinha, a mania de deixar a boca em carne viva. Inconscientemente machucar a boca faz qualquer alimento ser doloroso, é uma forma de fazer a comida ser torturadora, não?
    Adotei o batom de manteiga de cacau -uso até antes de dormir- e redescobri outros prazeres que eu havia perdido, como por exemplo beijar o homem que amo sem sentir dor :)

    Diferente da Cat uso meias, dia e noite, e o edredom é meu companheiro em todas as estações, porque durmo com um homem que só dorme com o ar-condicionado ligado...

    Esta batalha interior é diária, entretanto com os anos de convivência meu Príncipe pode ler os meus olhos quando estou mentindo, e sem esta opção só me resta comer pouco, vencer o dia e lamentar à noite.
    Não vou amaldiçoar a minha sorte, prefiro acreditar que aos poucos cedendo o suficiente para aparentar ser normal, um dia terei um juízo perfeito, e que até aqui o zelo e o carinho de alguém só ajudou-me a ver o quanto tenho hábitos doentios.
    O amor tem esta capacidade de ajudar o próximo sem nem mesmo perceber.

    Eu acredito que a comida da sua mãe seja maravilhosa e que cada tempero que ela usou foi pensando em você, e somente lamento que a ana tenha lhe arrancado não só uma refeição, mas a chave que representa o poder de escolher vivenciar um agradável momento em família.


    Beijinhos ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Anita, sempre fazendo comentários incríveis !!
      Obrigada por compartilhar suas passagens de vida.

      Beijos da Lua querida

      Excluir
  4. Wow Lua, amei!!!! :)
    Bem melhor que winter girls :P

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Omg, omg, omg, omg, sério que comentário mais fofo, mais doce do mundo todo. Sabe o que é estar mal, quebrada por dentro, e sorrir de felicidade. Pois é, teu comentário foi a causa do meu sorriso!!

      Excluir
  5. Bom dia! Tdo bem?
    Houve época que eu levava a comida pro quarto e dava pra minha cadelinha comer... vai ver hoje! se bobear como a dela também!! kkk
    Retribuindo a visita no meu cantinho...
    ...volte sempre!
    www.venenosdepelucia.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsrsrsrs...
      Obrigada pela visita meu doce.

      Beijos

      Excluir
  6. Oi, Lua!
    Fico feliz que continue escrevendo para nós!
    A luta que a Cat travou é uma das dores mais fortes que já senti. Lembro-me de estar faminta, querendo ir comer, enquanto uma voz na minha cabeça me dizia que se eu me atrevesse a colocar qualquer coisa na minha boca, todo meu esforço iria por água abaixo. Doía obedecer essa voz e também doía não obedecer.
    Beijinhos pra ti, Lua :*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nhaiiiiii *U*
      Ana, sempre fazendo comentários, ótimos também.
      OBG! <3

      Beijos da Lua

      Excluir
  7. Essa sou eu?
    Sinto seu texto em minha alma!

    ResponderExcluir
  8. Esse texto conta a realidade de muitas garotas, e certamente a sua realidade, lutar contra a vontade de comer é horrível, uma guerra acontece dentro da gente, você relatou isso muito bem, apesar de triste, o texto ficou ótimo, parabéns :3

    ResponderExcluir

Gentiliza gera gentileza, por favor respeite meu diário. Deixei seu nome e o do seu blog, que lhe faço uma visita assim que puder.
Obrigada <3