31 de janeiro de 2016

4 paredes


Quatro paredes.
Eu e ela, no mesmo lugar. 
No momento, só ela pode retirar esse peso de dentro do meu coração.
Eu tiro minha roupa ( calça leggin e um camisetão).
Sento na cadeira de palha, e retiro ela de dentro do meu esconderijo.
Observo ela pelo brilho da luz branca do banheiro.
Escolho alguns fendas de outras cicatrizes anteriores.
Um... Dois... Três....Quatro....Cinco... 
Algumas lágrimas insistem em aparecer.
Então uma descarga de ódio vem sobre mim.
Seis...Sete...Oito....Nove....Dez...
Várias imagens aparecem dentro da minha cabeça. 
Há essa altura, minha respiração está acelerada. 
Mais lágrimas, e eu penso o porque eu ainda estou nessa merda de planeta.
Onze... Doze...Treze....Quatorze...Quinze...
O sangue escorre até as palhas enroladas da cadeira.
Coloco um pano embaixo das coxas.
Peço desculpas por machuca-las dessa forma, mas só elas aguentam o ódio.
Dezesseis...Dezessete...Dezoito...Dezenove...Vinte....
Lembro de tantas vezes que me prometi não fazer mais.
O pano já está encharcado, e a dor do peito ainda lateja.
Sinto como se uma faca me esfaqueace por dentro.
Cambaleio até o box, e ligo o chuveiro.
O cheiro de ferrugem do sangue, e água está vermelha com nuances de rosa.
Me seguro no box, pois não tinha comido direito.
Não me importo com mais nada, nem sangue, nem dor, nem ódio. 
Água do chuveiro, se mistura com ás lágrimas.
Então finalmente saiu do box.
Faço um curativo, pois ainda está sangrando.
Visto minha roupa, e escondo minha amiga/inimiga. 
Respiro fundo, e saiu do banheiro.
E no fim do de cara com a minha mãe...então finalmente digo:
" Oi mãe. "
O segredo é saber fingir que está tudo bem. Ela acha que está tudo bem. E não será eu, que vou contar nada. Enquanto ela fala sobre as plantas, e alguma coisa sobre a minha tia. E eu estou sangrando, fingindo ouvir o que ela está dizendo.

L.

10 comentários:

  1. É meio triste que depois de tanto tempo mentindo, meu sorriso falso e amarelo tenha se tornado pratimente igual a qualquer outro sorriso. Estou desperdiçando um ótima carreira de atriz. Haha
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi???????

      Se for pelo fato de eu agir normal, entendo perfeitamente. Ou é isso, ou é ficar com ela pendurada em mim.

      Excluir
    2. Não.. É que eu estava falando de mim... :/

      Excluir
  2. Eu nunca me cortei - exceto as vezes que fui desastrosa na cozinha -. Não sei o que dizer sobre isto.
    Mais seu texto além de poético, narra com maestria todo o episódio.
    Eu só amei esse texto. De verdade!

    ResponderExcluir
  3. E resolveu o peso no coração? Quando eu me sinto mal eu fumo achando que vou me acalmar/resolver. No fim do cigarro só consigo pensar "não funcionou. preciso parar de fumar". 1h depois tou lá repetindo o processo. =.= Vícios são terríveis.

    ResponderExcluir
  4. Eu te entendo perfeitamente, mas depois de eu prometer ao meu atual namorado que não ia mais me cortar eu tenho me controlado... embora eu semre pense em me cortar pra aliviar tudo, mutias vezes não alivia, mas dá pro gasto... Ultimamente eu tenho fumado muito, na verdade faço qualquer coisa pra controlar meu choro... eu odeio chorar.
    Beijos florzinha,
    Lola.

    ResponderExcluir

Gentiliza gera gentileza, por favor respeite meu diário. Deixei seu nome e o do seu blog, que lhe faço uma visita assim que puder.
Obrigada <3