18 de abril de 2016

Notas de um diário 2

13/04 
Querido díario... 
A minha inutilidade é tão grande. Tenho um monte de coisas para fazer, e eu estou aqui com meu rabo gordo deitado. 

15/04
Querido díario....
Eu quero comer mas não posso. Quero mas não posso. Então encho um copo de água com gás, e me entupo. 
Pulsos cortados. Ok 
Fome? Ok
Vazio. Ok 

16/04
Querido diário ... 
Comi. Estou tão cheia que me sinto uma bola. Mas o que eu poderia fazer? 
Lâminas. Ok
3 Soníferos. Ok
3 Lax. Ok
Mais lâminas. Ok.
Sangue. Ok.

17/04
Querido diário... 
Não estou com vontade de escrever. Mas não consigo dormir... São 22 horas de domingo, estou sozinha. Quero me machucar... 
Pulso cortados. Ok
O Duda está na casa dos pais. Ele não vai ver, porque vou esconder com o bracelete. A televisão está desligada, a casa dorme, mas eu continuo olhando pro escuro sozinha. Tantos pensamentos, tanta insônia, eu gostaria de morrer. 
23 horas... 
Ele chegou... Me deu um beijo, e perguntou porque eu estava no escuro. Não respondo. Ele fica em silêncio, como se quisesse formar uma conversa descontraída. Então tira 2 canetas do bolso, e diz que trouxe pra mim. Ele coloca na mesa, e acende a luz do abajur. Vai até o banheiro, e escuto ele tirar a calça, vestir um pijama. Eu mexo na caneta de um lado, para outro. Rasbico a palavra morte na minha mão. Continuo a olhar pro teto, com a caneta na minha mão. Ele escova os dentes, e deita do meu lado. E diz.... " Desenha um únicornio em mim... " Balanço a cabeça dizendo que não. Ele insiste, e eu torno a dizer não com a cabeça.Desenho eu mesma no ombro dele. No desenho estou chorando, e tem um balão em cima da minha cabeça com um emaranhado de coisas. Ele diz... " é você neste desenho? " Eu balanço a cabeça que sim. Ele beija minha testa, e eu apago a luz. Ele me abraça, e enrola os pés no meu. Coço o pulso, e penso que neste momento ele está sangrando. Fecho os olhos. vejo nos meus pensamentos, um trem me esmagando... Por fim, adormeço. 

L.

10 comentários:

  1. "Querido díario... A minha inutilidade é tão grande. Tenho um monte de coisas para fazer, e eu estou aqui com meu rabo gordo deitado."

    Li todas as notas, mas mentiria se dissesse que penso que tudo vai mudar.
    Querida, não tenho algo realmente significativo para dizer à você.
    Eu sinto muito de verdade por isso. Sinto por você ser atormentada por tantos monstros.
    Espero que você fique bem.

    Ps: Nunca imaginei um trem me esmagando, mas já pensei em coisas igualmente mortíferas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Madrinha

      Lembro de uma experiência... Eu e minha adorável mãe ( estou sendo sarcástica ali) estavamos parada na estação, enquanto olhavamos o trem vindo. Quando algo me chamou atenção nos trilhos. Me vi deitada, e o trem se aproximava até esmagava tudo, e minha cabeça ficava presa naquelas rodas ( não sei se chama roda aquilo) e minha mãe desesperada.
      Mas nada aconteceu, entrei no trem e sorri por ter visto aquilo.

      Excluir
  2. Sem lâminas, por favor.
    :(

    Espero que melhore.
    Mil beijos.




    ResponderExcluir
  3. Fico triste que você esteja assim :(
    Me pergunto se tem alguma coisa que possa te distrair, algum hobby ou coisa do tipo, pode ajudar a não pensar nessas coisas. Sei que depressão da vontade de não fazer nada, mas não custa nada tentar.
    Melhoras, beijos :*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tinha Lety, hoje tenho comprimidos, belos e doces comprimidos...

      Excluir
  4. Amei a parte do "desenha um unicórnio em mim". Muito fofo!
    FORÇA!

    Se cuida!
    S2

    ResponderExcluir
  5. ai Duda é um fofo! Ele com certeza sofre com isso também... É uma pena vcs dois estarem passando por isso... :'(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Haha, sobre o unicórinio né. Ele tem cada ideia, que só por deus x.x

      É, e como sempre é tudo minha culpa :/

      Excluir

Gentiliza gera gentileza, por favor respeite meu diário. Deixei seu nome e o do seu blog, que lhe faço uma visita assim que puder.
Obrigada <3