24 de abril de 2016

Números

Eu me arrumo depressa, pois minha mãe não gosta muito de esperar. Nada demais, roupas pretas, um óculos escuro pois odeio o sol que está lá fora. Pego minha bolsa, e respiro fundo, demoro um pouco na porta, e finalmente fecho ela atrás de mim. Minhas tias estão á espera, elas falam alto, rápido demais para eu acompanhar conversa. Estou feia, cabelo mal penteado, toda de preto, e o único brilho vem da minha aliança de casamento. E talvez do meu piercing no nariz... Talvez 
Elas estão falando das minhas primas, e a conversa segue. Até que a cunhada da minha mãe enaltece, a bunda da filha dela, e ainda com a seguinte frase " Ela ainda não se arrumou, tem aquele rabão pra tirar da cama". Tento olhar pra ela, mas o loiro amarelado do cabelo dela irrita meu olho, mesmo de óculos. De repente a conversa vai até minha outra prima, que recebe vários elogios... " Ah ela está linda"; " Ah, nem parece que teve filho". Minha mãe me olha, e eu abaixo a cabeça e sigo. Ando enquanto escuto minha mente me amaldiçoar por sair da cama. Além de me fazer contar o que comi no café da manhã. Discuto comigo mesma em silêncio, porque eu tinha que descer. Eu era obrigada, o Duda morto dormindo. Infelizmente desviamos o trajeto, e então fomos para uma dessas lojas de roupas. Muita conversa, muita mulher, e tudo isso me irritando. Estou naqueles dias, então tudo me irrita, até mesmo um "Oi" de quem eu não quero ver. Me deparo com um calça cintura alta n° 34. Tão pequena, tão leve, tão fina, tão delicada, e então meu 38- vira 46. O chão fica turvo, e me sinto mal e enjoada. Disfarço e vejo a 38-46. Quero me enterrar embaixo da loja, á espera de um caminhão de lava em cima de mim. Apenas, vou andando até minha mãe e me sento no banco da loja. Uma mulher está tentando enfiar o pé gordo dentro de uma sandália. Quero correr... Quando todo mundo acabou de comprar, e falar alto, e reclamar que fulana, ou cicrana está gorda. Eu já estou lá fora, rumo ao meu ponto de ônibus. E a mente como sempre me espancando mentalmente.... Rá.como é ser gorda? é bom né? aquele 36 não cabe nem na tua canela. blá blá blá. Me sento no treco do ponto de ônibus, outra prima está ali, todas vão ver o bebezinho dela. Eu continuo no mesmo lugar, estou enjoada, com calor, e a luz me irrita. Minha mente grita feito uma sirene de ambulância, querendo espaço no meio do trânsito. Tudo que eu menos quero é ver cara de um bêbe. E ouvir, " E o seu Lua, quando vai vir??? " O ônibus finalmente chega, pulo na frente de todo mundo e entro. Espero o balanço do ônibus, me deixar em coma. Pelo menos até chegar em casa...Quando abro o portão, e fecho a porta... Estou na minha casa, segura, sem calor, sem enjôo, sem calça 36, sem pessoas estranhas, sem tias, sem mãe... Mas ainda tem a minha mente. Para me lembrar do quão gorda eu sou, para me lembrar que sou feia, que sou nojenta, que sou fraca, que sou uma vaca bulímica, que sou um peso morto, que meu marido deve ter vergonha de mim, para me lembrar que não uso 36, que dirás 34... E estou aqui ás 01:08 da manhã sozinha. Com o pulso coçando, porque arranquei todas cascas, mas está tudo bem, ele vai ganhar novas cascas futuramente. A lâmina, está á minha espera.. Assim como meu próprio demônio pessoal. 


24 comentários:

  1. Querida, Lua ❤
    Confesso que fico triste pelo modo como você olha pra si mesma e pelo modo como fala de si mesma. Triste porque sei o quanto isso dói e por saber o quão difícil é tentar manter algum controle em meio a esses pensamentos dolorosos e desgastantes. Como comentei da última vez, todos esses sentimentos, tudo isso, vai muito além de ser magra, muito além de uma calça 36 ou 34... Acho que faz parte de nós querer acreditar que podemos mudar tudo, apenas se pudermos mudar nosso peso. Porque o peso é algo que - a custa de muito sacrifício, violência contra nosso corpo, desgaste mental e físico - nós podemos mudar, nós podemos controlar. E é por isso que tudo de bom nós associamos a estar magra, e tudo de ruim a estar gorda. Nada disso é verdade, lá no fundo nós sabemos, mas saber disso não torna as coisas mais fáceis.
    O que dizer? Gostaria que tudo isso passasse Lua, tanto para ti quanto para todas nós.
    Um abraço bem carinhoso, cuide-se!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ana
      Concordo com o que você disse.

      Obrigada <3

      Excluir
  2. Que leitura incrível a que acabei de ter com seu texto.
    Sua escrita tem evoluído bastante, adoro quando você narra os acontecimentos assim. Seu blog é um verdadeiro livro.
    Eu sinto muito por serem t~ristes os motivos que te fizeram escrever, eu realmente espero que você fique bem querida afilhada.
    Me perdoe por estar ausente ultimamente, não estou muito bem para comentar.

    Obrigada por seu comentário lá no blog. Espero que você fique bem, e que consiga evitar os cortes. Abraços <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Óh O.o
      Que bom, preciso voltar a ler madrinha. Quando leio, meu cérebro se expande, e sinto que as amarras entre meu pensamento e meus textos, se desprende. Eu sei lá porque.

      Enfim, melhoras!! <3

      Beijos
      Bença!

      Excluir
    2. Até mesmo uma simples resposta vira um poema em suas mãos. <3

      Excluir
  3. Lua, 38 já é ótimo! Número de calça de modelo! hahaha
    Espero eu chegar nos 38 um dia!
    Não exija muito de si mesma, comece a tentar a reparar nas coisas boas em você, porque elas existem. Beijos e força.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Queria ver isso, mas para mim 38 é uma algema :s

      Excluir
  4. Olha, te contar que cortei relacionamento com praticamente toda minha família, fora meu pai e minha mãe, por isso. Detesto essas conversas, esse falatório, esse calor todo que as pessoas provocam. Minha mãe é dessas de me comparar com as filhas das minhas tias, e eu abomino comparações. Sempre estou gorda demais, feia demais, atrasada demais, fechada demais, minha família é muito diferente de mim. Fora que acho isso de perguntar quando vou ter filhos um pesadelo. Tenho 6 anos de casada, as cobranças nunca foram tão fortes.

    Mas pelo menos temos a nossa casa, nosso canto, nosso refúgio. Se sua mente começar a gritar, grite mais alto que ela. Não se permita dominar, duele até o fim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá seja bem vinda Ayu ...
      Odeio esse tipo de coisa. E estou tentando me manter firme, o máximo que posso...

      Excluir
  5. Eu senpre achei que quando coubesse em um 34 tudo iria melhorar, mas não, e isso só está acabando com meu piscicológico. Números mais baixos não são sinônimo de felicidade Lua, é verdade. Te desejo força pra acabar com esse demônio, e com quantos mais vierem...
    Eu gostaria muito de poder usar um 42 e não sentir nojo de mim mesma, creio que seria até mais prazeroso do que o memento em que vivemos agora, com todo esse medo dos números...
    Lua, você é linda! Não acredite nos números, eles mentem...❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Podem até mentir... Mas o pior é a realidade dolorida de saber que aquilo não é pra mim :/

      Excluir
  6. lua, a ana está com vc, não sei se isso é om ou ruim :(

    ResponderExcluir
  7. A forma que você escreve é tão bacana, que alguns momentos eu até pensei que fosse alguma história. É envolvente. Tô passando aqui pela primeira vez, vou dar uma olhada nas outras postagens. E 38 não já é muita coisa sim, o 34 é só questão de tempo... Bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Clara ( Seja bem vinda )

      Espero.

      Beijos

      Excluir
  8. Olha, também não sou fã do clubinho da fofoca. Mas você precisa se dar um desconto, 38 não é ruim, se continuar tão crítica sempre essa mente não vai te dar sossego quando estiver no 34 e vai querer o 32, e então os números infantis 14 etc. O amor próprio e o autocuidado não nascem da noite pro dia, temos que cultivar, tente pensar lados positivos, tente ter prazer na vida, eu sei que é mais fácil falar do que fazer mas prometa que vai tentar, queria tanto te ver bem e feliz :') beijo lua!! Sou sua fã <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah Drella, sinta se abraçada... obrigada.

      Excluir
  9. Sair com tia é bem irritante, não faço isso desde tipo mts anos rs. Detesto esses palpites desnecessários, quando é amigo, colega vc pode dar fora, na família "é falta de respeito", o que nunca fez com que eu me calasse rs,
    fica longe das laminas, lua =/

    Fica bem flor =)

    ResponderExcluir
  10. Eu gosto de como escreve, é como se fosse um livro sobre alguma personagem anoréxica. Tipo Garotas de Vidro.
    Gostaria de escrever um texto de auto-ajuda, mas, eu estou na mesma situação. Sem ver beleza nenhuma em mim. E também nunca satisfeita com números... mas Lua, 38 já é uma conquista ótima. Logo estará nos sonhados 34!
    Eu sei que pode parecer fácil falar, mas por favor Lua, tome cuidado com os cortes. Também já tive problemas com auto-mutilação, mas compensei fazendo esportes.

    Fique bem! ♡

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá seja bem vinda Aiko ♡
      Obrigada pelas palavras, fico feliz que tenho recebido tantas visitas novas.
      Obg ♡

      Excluir
  11. Ah Lua...


    Tenho pavor de fofocas e comparações entre parentes, se eu gostasse teria morrido de carência, porque moro na mesma cidade que a minha família e em 10 anos eles nunca sequer me ligaram para saber se sou viva ou morta, nunca.
    Mas lembro do "futuqueiro" ou do burburinho ou do salseiro que era quando eles se reuniam para falar mal de Deus e o mundo, minha amiga nunca vi tantas línguas malignas juntas em mesmo recinto.
    Muito me agride a forma como a maternidade é imposta às mulheres da nossa sociedade, como se fossemos obrigadas a parir, como se fossemos menos mulheres porque não temos um filho, como se um filho fosse uma obrigação e não uma opção, porque a religião alheia nos impõe a maternidade como se aquela história de que o nosso país é laico fosse um lindo folclore, por causa dessa opressão o movimento childfree só cresce, se um dia eu ainda tiver um blog escreverei sobre isso.
    É bem isso que ocorre, posso me esconder dos olhos maus e das línguas felinas, mas não posso fugir da minha mente, nem posso calar as palavras más que só eu posso ouvir.
    Viver é um desafio constante, você pode superar qualquer "demônio", se acreditar que é capaz, eu sei que você é.


    Beijocas ^^

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Reuniões de família me da vontade de deitar na BR, na boa... '-'
      Eu amo minha família, mas amo ficar longe deles....
      Beijos

      Excluir

Gentiliza gera gentileza, por favor respeite meu diário. Deixei seu nome e o do seu blog, que lhe faço uma visita assim que puder.
Obrigada <3