30 de maio de 2016

This is my escape

Estou sozinha, cansada demais, e com fome demais para pensar em alguma coisa. Penso em descer as escadas, e fazer um belo sanduiche [ 2 fatias de pão, requeijão, 2 fatias de queijo ]. Não quero. Eu me prometi, eu me fiz uma promessa. Estou sozinha, cutuco ele no intuito dele me entreter, e me fazer esquecer das coisas. Ele está cansado, e com sono. E como sempre, sou orgulhosa demais para pedir qualquer coisa. Cochicho - rápido, acorde. Mas ele não acorda, me sinto tão pressionada, tão fraca e ao mesmo tempo, fortalecida. Minha mente parece uma estação cheia de pessoas, perdidas, com fome, raiva, medo, ódio, triste, suicida. Não consigo pensar direito. Me sento, e ainda sinto tudo ao mesmo tempo, memórias, traumas, dores, tudo. Me tire daqui. No corredor uma lâmina me espia pela brecha do armário dele. Ela pula, sem eu ver para dentro do meu bolso. Estou no banheiro, em pé, segurando a porta com minhas costas, eles querem entram. Arranham a porta, e eu á seguro com toda a minha força. Num minuto, as gotas, estão por todo lugar. A casa está rachando, o quarto está quebrando, as paredes, as pessoas, as vozes, nada mais faz sentido. Pulso pro alto, e as gotas de uma Lua, escorre por dentro da minha blusa de manga preta. Pare. Dói. Machuca. Me deixa em paz. Não adianta, mais gotas, meu pulso insiste em chorar. Seco, e cuido, mas eles continuam a chorar. Percebo que não vai parar, e faço meu curativo. Me sento na cama, estou calma. Quebrada. Morta. Destruída. Com fome. Concentrada. Louca. Insana. Mas estou incrivelmente calma, pressiono o pulso... E fico deitada, ouvindo a garotinha pequena perdida no meio desta multidão, chorando, sozinha em um canto perto da escada. 

Vergonha

O espelho esta me maltratando, e ele tem razão em fazer isso. É tudo minha culpa, eu sou uma vergonha. Não importa se estou em um peso saudável. Eu não quero isso, não quero. Lágrimas rolam no meu rosto, quando penso em números, quando penso em como me deixei. Em com me importei com tudo em minha volta, mas não pensei em mim. Quando descontei minha raiva em um prato de comida. Do que adianta comer e continuar sentindo as coisas? Pode ser loucura mas prefiro as lâminas do que a comida. Não quero continuar, não quero piorar, não quero. Não consigo ver que estou saudável, me vejo gorda. Não quero ser uma garota gorda, uma esposa gorda, uma mulher gorda. Eu quero ser magra. Magra, a ponto de me sentir bem ao passar por um espelho. Quero me sentir leve, não quero ter vergonha. Eu não consigo parar de pensar em como eu me deixei ficar assim. Fico pensando em como as pessoas me enxergam, então eu deixo tudo sair do lugar. A Bulimia volta a me confronta, volta a me lembrar que existe uma saída. Mas não quero ela. Eu adoraria me sentir bem do jeito que eu sou, mas não consigo. Já tentei, mas logo estou eu chorando por um garfo. Eu vou insistir, eu vou lutar, ainda que o caminho seja o fim. Eu vou me enrolar, me ludibriar, e talvez me enganar. Mas nessa casca eu não quero morar. Aposto que todo mundo de ri mim, porque estou á tanto tempo, e nunca consigo chegar em lugar nenhum. Eu mereço os chingamentos, as humilhações, porque eu sou uma gorda infeliz. Que não tem capacidade alguma de atingir meta nenhuma. E fica se iludindo, com isso... Mas não consigo desistir assim, não consigo simplesmente esquecer de tudo. E continuar a vida, sem pensar em como eu poderia me sentir bem com meus ossos aparentes. É óbvio que não tenho que provar nada pra ninguém, que tenho que emagrece por mim, somente por mim. Mas o peso de certas palavras, já me machucaram. As pessoas falam, e nem percebem o quanto me machuca. Mas tudo bem << mentira>> Eu odeio ser assim, o.d.e.i.o, com todas as minhas forças, se eu pudesse usava os facões da minha mãe para cortar essa coisa toda. Eu vou conseguir, eu vou, nem que  isso me leve pro fim da estrada. Mas eu não irei desistir, ainda que meu cérebro esteja gritando. Eu preciso conseguir isso, pelo menos me deixará mais próxima do fim... 




27 de maio de 2016

Poison

Eu estava cansada demais para pensar... Alguns desentendimentos, me sugaram tudo o que se chamam de alma. Algumas lágrimas, e gritos ao telefone. Estou exausta... 
Pego uma calcinha limpa, e um pijama preto, as lâminas se escondem no meio das roupas, elas querem me fazer companhia. Me sento na privada, e a maldade, a dor, o espaço, tudo se destrói em milhares de pedacinhos. O sangue percorre as curvas das minhas coxas, e se encontram no chão frio. O pulso chora baixinho, pedindo que eu não faça mais isso. Grandes gotas de vermelho vivo, se espalha, preciso entrar no box. Ligo o chuveiro bem fraquinho, á fim de que faça um nevoero de água quente no banheiro. O cheiro de ferrugem, se espalha no ar. Adeus gotas das lua, adeus. Os monstros me espiam nua pela frecha da porta do banheiro. Escuto eles cochicharem, e até mesmo fazerem zombaria do meu corpo. A lâmina mais uma vez se escondeu no meio dos sabonetes, de pé, mais ricas percorrem, e o chuveiro leva embora as minhas dores. As gotas que caem em cima dos rasgos fazem uma dor estranha. Eu queria mesmo morrer. Estou cansada. Estou mais do que triste, mais do que morta, estou destruída. Ao sair do banho limpo, o piso branco manchado de sangue, recolho tudo, e guardo o que precisa ser guardado. A calça gruda nos cortes, e os machucados continuam a chorar. Estou deitada, e ele ainda não chegou. É descofortável deitar do lado esquerdo, ou do direito. Então fico de barriga pra cima, e pressiono pulso. 
Conversamos um pouco, mas não tenho coragem de contar. Até mesmo quando ele se debruça sobre meus machucados. Ele viu apenas os cortes do pulso. Ele me disse - nossa, cada dia que passa seu pulso fica pior - Eu não disse nada, não precisa dizer nada. Uns dias atrás ajudei a mulher que se diz minha mãe, a organizar o guarda roupas. Ela tem 3 vasilhas de um veneno poderoso. Na ocasião especial, pensei em fazer uma bela refeição, acompanha das 3 vasilhas.Tudo isso pode terminar. Eu chorei um pouco por pensar nisso, mas que se foda. Ontem fiz a besteira de ir  na casa da minha tia, ela estava lá. Estavamos sozinha na sala de visita, e então eu disse pra ela, que estava preocupada com as dores que ando sentindo. E que eu estava com medo de ter que fazer um exame horrivel, para saber o que é... Ela não disse nada. Ela sabe que dias atrás eu quase chorei de tanta dor. Quando percebi que ela não se importava, eu me levantei e disse - Não sei porque eu ainda falo alguma coisa pra você. Você tá pouco se fodendo pra o que eu sinto mesmo - Ela não disse nada, e se disse eu não ouvi porque eu corri pra casa. Pensei em me cortar, mas pra quê? Eu já tinha feito vários cortes, talvez o máximo deste ano. Ela sempre está "cansada demais", " com problemas demais ", " ocupada demais ", pra me ouvir. No dia que eu terminar com tudo isso, ela será a última pessoa que eu poderia me lembrar, pra não fazer isso... Porque vou está cansada demais, para acreditar que ela algum dia se importou com alguma coisa, a não ser dinheiro. 


23 de maio de 2016

Primeiro dia

Ok, logo de ínicio eu não devia dormir até as 12:00 da tarde. Mas o sono estava bom, então fui até as meio dia. De madrugada estava tendo uma tempestade lá fora, minha janela estava com medo do trovão. Mas quando abri as portas, o sol, e o céu azul, lá fora. Odeio esse tipo de dia. Penso - hoje é o dia de mudar, nada de jacadas, nada de fraquejar- fecho a porta, e desço as escadas. A mente diz, tem pudim, tem bolo, tem pão de ló!! Qual vamos comer? Repito mentalmente- N.E.N.H.U.M! Retiro as vasilhas plásticas, e decido comer comida. Mastigo devagar, com calma. Me sinto satisfeita, baixo um app de lembrete de tomar água. Me sinto meio idiota com isso, mas é preciso assumir, eu odeio beber água. O celular me avisa quando devo beber água, e me sinto mais a vontade de com ele. As horas passam, e eu olho o celular, e penso que terei de levantar e me exercitar. A mente diz - esquece, vamos dormir, da muito bem pra perder peso, sem levantar um músculo. Cuspo, as palavras, e digo - mentira!!
Digo em voz alta: 
- Duda você vai fazer seus exercícios? 
Ele me olha...
- Vou, antes de ir para igreja com a minha mãe. 
Engulo seco, e digo alto demais... 
- Preciso ficar sozinha, para fazer os exerícios. Antes que meu corpo velho, se negue e fique grudado na cama. 
Coloco uma roupa de ginástica, ignorando as piadinhas que escuto na minha mente. Estou pronta, vamos logo, preciso queimar essa gordura nojenta. Alguns minutos depois estou suada, cansada, e precisando de um banho. Faz tempo que não sinto essa sensação de trabalho feito. Hoje eu venci, me esforcei, e consegui. Vamos lutar pelo amanhã, ainda que minha cabeça esteja um caos. Pelo menos o meu corpo precisa está funcionando.

Blog de cardápio diários - Clique Aqui !


22 de maio de 2016

Encarando os fatos #Reeducação alimentar


Gente, vou ser bem sincera com vocês. Estou num buraco enorme! Eu como sem ter fome, eu como besteiras, muitas besteiras. E a coisa está tão feia, que não sinto vontade de comer coisas como frutas, verduras, reparei quando a Anita, comentou no diário alimentar. Ainda que eu consiga emagrecer, vou demorar muito. E os nutrientes que eu preciso, não vou estar ingerindo, ou seja - f.o.d.i.d.a - 


O círculo vicioso 

A verdade é que eu estou comendo, e nem estou percebendo o que estou comendo. Legal ? Não. Bom pra mim? Também não. Eu nunca passei por tal coisa, e agora é que esta caindo a ficha. Eu não quero que 2016, seja igual á 2015. Quero poder dizer - eu consegui -, emagrecer devia ser algo prazeroso, e com força de vontade. Eu entendo que na minha atual fase, não estou bem pra pensar em muita coisa. Mas não é desculpa pra ficar gorda. Afinal eu quero ser magra, não só pra ter um corpo bonito, mas para me sentir bem comigo mesma. Não dá pra ficar comendo por tudo que é motivo, fútil, ou não fútil.  COMER NÃO RESOLVE A DROGA DO PROBLEMA >> 

Reeducação alimentar 
* reeducar o paladar * 


Quando eu era veg, eu sentia mais prazer em preparar meu próprio alimento. Comprava revistas, e lia tudo o que eu queria, e sobre meu modo de vida. Ou seja  eu tinha foco, um belo foco. Agora não tenho mais nada, eu como até coisas que eu não gosto. Andei lendo algumas coisas, e descobri que meu paladar está podre. Ou seja, ele quer porcarias, como balas, salgadinhos, chocolates etc. Mas não quer uma fruta, ou belo prato de salada. Até mesmo um prato de feijão e arroz, ele não quer. Eu preciso desacostumar o organismo, é como apertar um "reset". 

 T.a X R.a 
* transtorno alimentar x Reeducação alimentar *

Eu sei.. É confuso, mas é está a minha situação. Ultimamente ando tendo vários encontro com Bulimia. Bom? Não, muito ruim. Bulimia quer dizer descontrole, descontrole quer dizer que vou engordar. Eu estou querendo muito que isso de certo, querendo muito que meu corpo faça a droga do reset. Pra que eu possa restringir, sem ter que cair no limbo outra vez. É impossível, eu fazer r.a e comer tudo que eles pedem. Vou enlouquecer, ainda mais porque não vou poder por pra fora. Preciso fazer com que os dois casem, num amor eterno e fiel. << eu e minha frases idiotas >> 

O Plano 

Então continuando.. 
A ideia é fazer comer coisa saudáveis ( clichê né ? >< ) e tudo que for bom pro corpo. Ou seja tudo que eu odeio, por exemplo chá verde. Vou forçar o corpo a se acostumar com coisas que ele não gosta , até que ele passe a gostar. kkk. Por exemplo: eu detestava quiabo, forcei, e veja só adoro quiabo. Quando digo forçar, é forçar mesmo. Não ter " mimi " porque é amargo, isso e aquilo. É comer, ou tomar e pronto e acabou. 
Rotina Alimentar 

1. Café da Manha ( 07 ás 8:50 )
Para mim é a refeição mais importante. E eu geralmente sempre me lasco, porque temos o costume aqui no quintal, de todo sentar na mesa. Ou seja, bolos, pães brancos, tapioca, queijos, frios, e tudo aquilo que não devia. Frutas? Não. Suco de fruta natural, não. Então vamos mudar o café gordo, pra um café melhorzinho: - pães integrais; geléia light; frutas; iogurte natural ou destanado; café preto; leite; suco de fruta; e vitamina de frutas; aveia; cereiais integrais ( sem açucar ) << opções >> 

2. Lanche da Manhã ( 10 horas )

Eu não tenho costume de lanchar no período da manhã, só as vezes. Então neste horário, seu não comer o café da manhã. A opção fica como : frutas. 

3. Almoço ( 12 ás 13:50 )

De vez em quando eu almoço as 11:40, porque eu sou meio que nem meu avô. Geralmente no almoço, eu como algo só pra enganar o estômago. E percebi que tem sido carbos vazios, e sem graça na minha vida. Ou seja, torradas, meio miojo, e até mesmo pipocas. Vamos mudar o meu almoço sem nutrientes bons: verduras no geral ( com moderação nos túberculos) > saladas > carnes magras > feijão > arroz integral ( depende do prato ) 

4. Lanche da Tarde ( 16 ás 18 horas ) - última refeição -

Incrivelmente eu também, geralmente parto para os carbos, malditos carboidratos. Eu acredito que me viciei, e nem percebo nas minhas atitudes. Geralmente é alguma coisa leve ( se eu não tiver comendo a casa toda ). Vamos substituir por algo bom: sopas leves ( de preferência caseira ) > saladas de frutas > chás > leite > iogurtes ( embora não me faz tão bem ) > talvez algo com fibras 

Água-

Eu tenho sérios problemas em beber água gente. Eu me esqueço por total, talvez seja este o foco do problema. Eu esteja com sede, e confundo com fome. Então é vergonhoso que vou dizer, mas vou instalar um app que me lembre de tomar água. 

Calorias

O ínicio do r.a, conta a partir de segunda feira. Eu ainda não sei se vou contar as calorias, embora é algo muito automático em mim. Isso é algo que eu realmente ainda não sei bem o que farei... (?)

Exercícios

Por deus me ajuda, essa é a parte mais irritante de todo o plano. Porque, minha cabeça não me deixa em paz. Então os primeiros dias vai me fazer querer morrer. Podem ter certeza! Como estou muito em falta com exercícios como hit, aeróbica, e entre outros desse tipo. Farei exercícios do tipo pilates, yoga, alongamentos, e qualquer outra coisa mais "calma". 

Observações 

Vou começar na segunda feira, todos os dias os cardápios lá no blog Diário Alimentar. Não tem data para terminar, vou apenas ir em frente. Quero tirar esse costume ruim que me corpo pegou, e não quer larga... 

" Ânimo, foco, força e fé " 

21 de maio de 2016

Coisa de mulherzinha

Meu deus... 
Como eu detesto ser mulher. Juro. De madrugada acordo com uma dor terrível, enquanto tento calçar meus chinelos, vou pensando se tomei algum laxante antes de dormir. Não me lembro. Seguro na porta, e parece que dentro de mim tem um alien. Me sento na privada, e a dor continua. Enquanto penso em chorar, talvez gritar, olho pra calcinha e vejo o sinalzinho. Ahhh, é isso. Por deus que cólica do capeta é essa? Sem dúvidas é uma das que vai entrar pra lista de "chico do mal". Estou  ENOOOOOORME. Meu peito que é pequeno, está enrome, minha barriga está enorme. TUDO ESTÁ ENORME. Quero morrer. Quero que um carro passe por cima da minha barriga, e minhas tripas fique espalhadas numa estrada velha e esburacada. Hoje desci no centro da minha cidade para comprar umas coisas que faltava. Cada 10 minutos eu parava na rua, e apoiava a mão no joelho, e pedia pra essa dor parar. Deixei o Duda por lá, peguei um vip << vip é como se fosse um táxi, mas é um vip >> e vim pra casa. Porque juro, que estava querendo sentar na rua, e esperar uma carreta passar por cima de mim. Estou chorosa, estou a flor da pele. 3 Taças de vinho, e estou sorrindo feito uma doida de rua. - jesus pra que isso - Eu deveria falar de outra coisa neste post, mas estou com dor, e com muita preguiça. Tomei remédio, e o remédio detonou meu estômago. Mesmo com o remédio, não adiantou, ele ainda ferro tudo por lá. Só quero que ciclo do mal vá embora... só. >< 


19 de maio de 2016

Velhos hábitos

Eu acordo um pouco sonolenta demais, para me lembrar o que tinha que fazer hoje. O Duda ainda está deitado, e as respiração dele é bem leve e despreocupada. Gosto de ver ele dormindo, por alguns minutos lembro do nosso primeiro beijo. Encaro o controle da televisão, aperto qualquer canal, e penso - ok. vamos ver as notícias. Bla blá, greve, blá blá, crime. Em algum momento durmo de olhos abertos, preciso de um caneca de café. Mas o quarto está frio demais, e tem um monstro me encarando na porta. Me viro, e caiu em um breve cochilo. O despertador do Duda toca Mark Ronso ft Bruno Mars- Uptown funk, claramente somos diferente. Eu até gosto dessa música, animada demais, mas eu gosto. Ele levanta, e consigo ver as costas musculosas dele. Penso - essa academia em casa dele, tá funcionando mesmo. Vejo ele pular sobre mim, e ir até o banheiro. Escuto ele abrir o guarda roupas, e procurar alguma coisa. Pergunto - " É hoje que você vai levar sua  mãe no médico? ". Ele demora alguns segundos e responde - " Sim, ela tem consulta né..." Então ele resmunga baixinho - " Aff tão frio, e eu tenho que sair.. " 
Observo ele sentar na cadeira, e calçar o par de tênis mais limpo que já vi. Calça preta, blusa de moletom preta, e o tênis mais limpo do planeta. Penso - queria sair com ele um dia. Digo me virando de costas - " Você está bonito. " Ele sorri, não preciso nem olhar, o sorriso dele sempre faz um barulhinho gostoso. Ele já está quase de saída, e nem me movi. Ele me da um beijo, e digo - " Vai com deus, e se cuida. " Enquanto a porta fecha, e eu escuto " Amém". 
Os monstros que se escondem atrás das portas, debaixo da cama, por trás de cada sombra... Eles não são idiotas, eles esperam o guarda sair, pra eles poderem me atacar. Mas o remédio que está nas minhas veias, é mais forte do que eles. Então durmo, acordo horas depois, e olho pra televisão e os monstros me encaram. Como um pouco demais, e então novamente caiu no sono outra vez. Estou cansada demais, para dar importância pra eles nesse atual momento. 
Mas logo o sono acaba, e eu ainda estou na cama. Resolvo descer até a cozinha, á procura de algo para comer. Uma caneca de 500 ml de vitamina de abacate, e bolachas, devoro tudo enquanto eles me olham, e dão risada. Eles sabem o que vai acontecer, eu não. 300 ml de água, prendo o cabelo no alto, corro até privada - retire isso daqui de dentro,retire isso daqui de dentro,retire isso daqui de dentro,retire isso daqui de dentro - De repente a privada está pintada de verde, meio bege, e na último esforço algumas gotinhas sangue. - adeus comida- Olhos vermelhos, lágrimas, e um pouco de vômito pendurado no cabelo.  Limpo tudo, e me sento na cama. Sozinha. Tento falar com a minha amiga no celular, e aos poucos, mais e mais lágrimas. Alguém me espia no reflexo do notebook, da televisão, do espelho, eu sei que tem. Puxo o cobertor como se ele fosse um manto protetor. 
Um sms, chega no celular, limpo as lágrimas pra tentar ler " Eu estou vendo as clínicas, eu vou cuidar de você ".,. Apenas choro sozinha, querendo morrer... 


17 de maio de 2016

Choramingos

É domingo, e estou encarando meu caderno vermelho de dietas. Penso - eu devia fazer pra emagrecer::: mas não consigo::::eu devia para dar desculpas:::eu quero comer::: mas não quero ser gorda, ou continuar gorda:::mas eu não consigo - Pego o caderno fino, tremendo demais, para poder escrever. Leio as últimas anotações, e penso em tacar ele na parede. Mas não faço. Tento ler palavra, por palavra, e sentir que algo que vai me dar uma luz, e que eu posso voltar a ter um foco. Anoto os erros, penso nos acertos - Existe algum acerto? Me sento desconfortavelmente na cama, e sinto que minha bunda pode ficar quadrada á qualquer momento. Vou no menu do celular > imagens > fotos do pc > e me deparo com todas as dietas que pensei em fazer, mas não nunca tive capacidade suficiente. Quero morrer. Então abro o notebook, entro em tantos sites, redes sociais, blogs, que fico tonta e as palavras Ana e Mia, já fica meio sem nexo pra mim. Não acho nada de diferente. Me canso, e deito. Ainda sentindo a bunda dormente, porque fiquei ali por umas duas horas sem achar nada. Listo o que devo fazer > penso em seguir um dieta > comer menos possível > evitar a bulimia > fazer algum exercício > tentar ler > fazer um blog de cardápio diário > e aguentar a fome > e não me pesar todos os dias. Faço minhas preces, achando que talvez eu possa tomar um rumo. Tentando de alguma forma, trazer a Lua que tinha 16/17 anos, que era forte, que nunca se importou com comida. Que gostava dos ossos saltados. Algumas gotas  salgadas insistem em cair..Então penso  nas palavras do Alejandro. 
Encaro meu teto branco, e ele me mostra uma bolha preta. Parece um novelo de lã emaranhado, penso que eu poderia tirar do teto e brincar com ele. Me arrumo e durmo.  



15 de maio de 2016

O inimigo refletido

O espelho me tortura.
Ele ri de mim, ele diz em cantoria
                                     " Sua fraca, feia, gorda, rídicula. "
Tento pensar que é apenas a minha mente doentia.
            Mas não é, sou gorda, sou gigante.
      E todas as outras são magras, são delicadas, são leve.
E o que sou?
     Um peso morto, uma fraca, uma completa inútil.
                                                                            Em alguns instantes, nada faz sentido, nada é real.
    A dor é real. As falhas são reais. A lâmina é real. A punição é totalmente real.
Em alguns segundos, antes de dormir, planejo tudo.
                                       Mas estou ligada no automático. Cadê as minhas linhas vermelhas?
A casca que me envolve está esticada, estou a ponto de rasgar. O meu vermelho vai espalha pelo chão.
                 O monstro do descontrole tomou conta do meu ser.
    Estou sozinha, estou por conta própria. A linhas roxas estão presas nas argolas das minhas costas.
                     Sou uma marionete na mão da Mia.
Pronta pra enfiar 2 dedos gordos no fundo da garganta.
                                                  "Retire isso... "
                                                          Eu preciso ser limpa, rosa, vazia, preciso comer menos...
Estou fraca.
Não consigo realinha todas as linhas vermelhas.
               Não consigo desatar o nó da Mia.
Quero ser leve, quero fina, quero ser delicada! Apenas isso...
                  Quero abrir as minhas asas e voar...


*** desabafando numa madrugada de domingo, graças a conexão da minha prima ***

Editado 15/05 -  ás 14:04

Pessoas eu criei um blog de cardápios diários. Lá vai ser duas pessoas postando, tudo o que estamos comendo. São duas autoras!!
Se quiserem seguir aquele também: Diário Alimentar 


Obrigada! <3

14 de maio de 2016

Acúmulo de Problemas

Olha eu nem sei por onde começar. Sabe quando você começa a semana, achando que jogou pedra na cruz? Pois é...  
Na segunda eu estava sozinha em casa, cansada, fadigada, querendo enfiar a cabeça dentro de um balde cheio de piranhas e esperar a morte. Mas ignorei tudo isso, e liguei o notebook. Abri duas páginas, algo na minha conexão entre rede e pc, fudeu deu erro. Fiz todos os procedimentos que eu conheço, liguei para operadora, e nada. << e acredite estou sem intera net fixa em casa >> Até aí tudo bem, essas coisas acontecem. Demoram, mas acontece. Eu tinha marcado para fazer meu cabelo, e porque a raiz estava alta já. Deu tudo certo, suportei o fato de falar com a minha cabeleleira. O Duda chegou com más notícias no serviço. Ok. Posso morrer agora vida? NÃO. Até eu digerir que minha segunda estava sendo horrível, demorou um pouco pra sacar que ia piorar. As 19:00 fui encontrar minha mãe no centro da cidade. Sem internet móvel, e o Duda esqueceu o celular dele em casa. Fizemos o que tinha que fazer, aproveitei e coloquei crédito. Assim que cheguei em casa vi uma mensagem de aúdio da minha sogra. - Lua aonde você está? Cadê o Duda? O pai passou mal, preciso de ajuda!!! - O "pai" é avô do Duda, por volta das 21:00 que foi a hora que chegamos, ele subiu na casa da mãe dele. No desespero dela, ela largou a casa aberta. O Duda teve que ficar lá até as 22 porque ele não achou o tal cadeado. << olha como só piorou >> As meia noite, o primo do meu marido estava tentando arrumar o erro que está dando na minha conexão de rede. Por volta das 00:20 o primo dele recebe uma ligação - G. o avô faleceu - Eu ouvi o que a minha sogra falou pra ele no telefone. O quarto ficou gelado, tudo parou, como se um monstro sugou o ar da casa. Os olhos do G. encheu de água, e meu marido com os olhos vermelhos. De repente aquela correria, velório, enterro, corpo, morte... Eu fiquei em choque, mesmo sabendo que ele não estava bem. Isso tudo aconteceu de segunda e terça. Na quarta- feira, eu  acordei ruim. Ruim mesmo. Acabei com meu pulso pela 4° vez, ele está totalmente cheio de rego da lâmina. Não existe possibilidades de usar o pulso livre, nunca mais. Ainda me sentia  mal, cortei as duas coxas. Quando meu marido chegou em casa, eu estava com dois curativos em cada coxa, e um no pulso esquerdo. Ele sentou na beira da cama, e começou a chorar. Lembro de ver os olhos dele brilhante, por causa do brilho da televisão. Eu só ouvi baixinho - Estou com medo Lu, estou com medo, você está... Eu... Tenho medo sabe - Mas eu estava esticada na cama, não sentia dor, nem medo, não sentia nada. Eu era uma floresta sem nenhum som, eu sou uma floresta suicída. Na quinta- feira, acordei dopada << coquetel de remédios >> Elástico de dinheiro roxo, maldição de uma mente doentia. Vontade de comer? ( puxa o elástico, e solta em cima dos cortes) Comeu? ( puxa o elástico, e solta em cima dos cortes) Quer morrer? ( puxa o elástico, e solta em cima dos cortes)  Comeu 3 coisas? ( puxa 3 vezes o elástico, e solta em cima dos cortes) Na quinta á noite meu pulso estava roxo, sangrando, e inchado. Minha mente estava como uma 25 de março, cheia, entupida, e não cabia mais nada. Mas a minha mente achava que eu aguentava mais.... Eu fiquei tão ruim, mas tão ruim, que não fui visitar minha sogra. HOJE que eu limpei a casa; lavei o cabelo; e fui ver como ela estava. Se estou bem?  NÃO.  Eu sou isso, eu sou  apenas isso. Vocês não tem noção de como eu me odeio. Crise, morte, problemas tudo em uma semana. E eu simplesmente não aguento, estou tomando tanto remédios essa semana. Que eu pedi para o Duda comprar mais hoje. << claro que ele não sabe quantos estou tomando >>Estou morta em todos os sentidos. Não sei dizer o que é, que está havendo comigo. Mas meu teto está desabando, e sinto que não tem concerto....
Isto é um breve resumo porque eu desapareci. No momento estou usando a conexão da minha prima. Mas já encontrei um lugar para resolver o problema da internet. Fui em alguns blogs, falta muitos posts pra eu ler. Mas no momento estou muito cansada. Prometo que enquanto eu tiver a conexão dela, vou ler todos posts e comentar. Obrigada pelo apoio gente, ler cada mensagem, mesmo estando quebrada, sinto que alguém lembra de mim. Muito obrigada mesmo!! 


12 de maio de 2016

Resolvendo Problemas ( Post- Rápido )

Olá...
Pessoal estou com sérios problemas aqui em casa. Não vou entrar em muitos detalhes agora, mas assim que tudo ficar resolvido, volto para responder os comentários. E explicar o que aconteceu está semana. Também prometo, que quando tudo voltar ao normal, eu leio todos os blogs, ok?! Peço que por favor, mandem boas vibrações pra mim. Não está nada fácil tudo que está acontecendo aqui, e eu não sei como vou suportar. Está semana piorou de todas as formas, os problemas estão surgindo como um teto cheio de goteiras. Enfim, espero voltar, e explicar tudo... 
Obrigada por cada visita, e por cada comentário. Ass. Lua 

8 de maio de 2016

Renascendo como uma Fenix

Boa noite. Eu pensei em escrever isto na terça- feira, porque amanhã, com toda a certeza seria bem complicado. Ah não ser na parte do período da manhã. Mas como eu quero/ e preciso organizar o guarda roupas do Duda. Então resolvi escrever agora á noie...
Antes de tudo, eu gostaria muito de agradescer pelos comentários. Sabe, é difícil, não fácil mesmo, ás vezes quando penso em vir aqui, e depois logo fecho a janela. É por medo! Medo que me julguem, ou que digam que é frescura. Mas sempre que desabo em palavras, todo mundo que vem aqui me dá palavras de ânimo. O Alejandro fez um comentário tão forte, tão cheio de observações, que eu li em volta, para os monstros ouvirem. Eu só tenho á dizer Obrigada! 

Ontem á noite, enquanto via "The 100 " com o Duda. Fiz a minha nova dieta, por deus ler isso, ou ouvir me faz me sentir tão mal. << sensação de fraqueza >> Eu sei que não é fácil manter dietas tão baixinhas em calorias. Mas ainda sim, me sinto muito inútil. São 30 dias normais, com Lfs, e Semi-Nfs. Tudo intercalado, para me manter mais "segura". Nos fins de semana, as calorias são mais abertas. Porque meus parentes vivem inventando coisas, e quase sempre é na casa da minha mãe. Ou seja, muito, mas muito difícil eu fugir. Se eu disser que estou mega confiante, não, não estou nenhum pouquinho. Mas vou me esforçar, ainda por ler um comentário tão observador. Além disso, andei escrevendo muitas coisas em relação á compulsão alimentar, e tal. Percebi meus erros, e anotei para ler toda vez que eu fizer ou pensar em fazer alguma merda. Não estou me sentindo firme, mas estou com a sensação de eu realmente preciso fazer algo em relação á isso...  << talvez eu coloque as calorias na barra lateral, ou apenas contailize elas, e coloque sempre no fim do post. talvez isso ajude, em manter o foco >> 
Em relação á minha situação emocional... Bom não ando escondendo tantas coisas, hoje mesmo que é dia das mães. Eu disse pra minha mãe, que queria ficar em casa, almoçaria e iria dormir. Mas por ela, eu fui pra casa do meu tio. Ela disse: - Eu sei que você gostarai de estar dormindo.  << como se eu sempre tivesse sono pra isso >> Estou tentando sobreviver á tudo isso, sem derramar sangue. Estou conseguindo ?  NÃO. Mas ainda estou tentando, mesmo fazendo tanta coisa ruim contra mim mesma. Não sei até quando, mas vou ir empurrando até achar uma solução, ou uma cura, para essa alma morta... 


7 de maio de 2016

I'm broken

Ah....
Eu sei que eu disse que ia dar um tempo de vir aqui. Espera, antes de falar sobre o que vim falar.  E agradescer de coração á todas que deixaram um comentário no meu último post "Sem Luz". Obg! 

Ok. Agora sim posso falar sobre o que não está me deixando dormir. Eu comi gente, eu comi... Eu apenas provei para todas as pessoas que me considera fracassada, que realmente sou uma fracassada. Eu não sei porque eu fiz isso, eu não sei porque sou assim. Porque nunca tenho a verdadeira capacidade de conseguir algo? É algum tipo de maldição ? Ou realmente eu nasci para isso?! Frustrante, essa é palavra quandos e fala em t.a. Frustrante tamanha inutilidade, eu não era assim. Antigamente eu era forte, eu não me deixar levar por momentos. Eu via o objetivo, e seguia até o fim. Sem me importar quando iria chegar, ou como. Eu apenas ia e fazia. E hoje demoro séculos para adquirir controle. Então por conseqüência, eu me cortei. Sem dó. Sem volta. Abri um buraco na minha coxa direita. Não me importo, são tantos, praticamente minhas duas coxas inteiras tomadas por ódio, e mapas para a dor. Eu deveria morrer. Agora pouco chorei em cima do meu edredom florido, chorei, dizendo para mim mesma que a morte seria tão mágico. Não ouvir mais nada, não sentir mais nada, não ver mais nada. Antes de dormir penso vou comer pouco, não vou me importar para comida, não vou ligar para comida, não vou querer comida. E quando acordo, já estou fazendo um pão na chapa, e um xícara de café. Fraqueza. Eu sou fraca demais, eu vacilo demais. E quem disse que sou fraca, e que nunca vou chegar.  VOCÊ ESTÁ CERTA (O). Nunca vou chegar lá, nunca! Porque além de ser uma garota horrível, sem beleza, sem vida, sem vontade, sem nada. Sou gorda. E jamais vou sair dessa vida de merda que entrei. Todos os dias, todo droga de dia, que acordo penso: pode ser diferente, posso ver a vida diferente. Mas não. Isso não existe, eu sempre acordo, querendo morrer. Eu sempre acordo tropeçando nas minhas próprias ilusões. Começo a crer que as alucinações, são meus problemas materializados, devido a minha mente pertubada. Está semana, no meio da rua, enquanto eu caminhava com o Duda. Eu disse pra ele: algo quebrou dentro da minha cabeça, para mim não faz sentido acordar amanhã, para mim não faz sentido ser vestir "bonita", para mim tudo isso é tudo uma farsa. Quando me visto, bato uma foto, aquela pessoa não sou eu. E quem me conheça vai olhar nos meus olhos, e ver que minha alma está doente. Eu perdi á guerra... 
Eu perdi a guerra á muito tempo. O que tem me mantido aqui na terra, é a falta de coragem para por um ponto final. Hoje de tarde, eu disse de novo pra ele: eu quero morrer Duda, não há motivo para continuar aqui. Ele me disse que isso machucava, e que ele me amava. E eu tornei a dizer: me desculpa, mas eu não gosto de mim. Então não faz sentido continuar aqui. Chorei, molhei o braço dele, e ele  chorou comigo. Não dissemos mais nada, apenas dormimos alí. E vejam só, acordei, e me machuquei. Ele está crente que estou me mantendo firme. Mas veja só, não estou nenhum pouco firme. Me machuquei devido ao meu acúmulo de fracassos. Me machuquei porque as pessoas que me acham fraca, cada dia mais estão certas. E eu tinha que provar pra elas que eu posso sim conseguir. Mas como? Desse jeito? Fracassando toda vez? Eu sou um erro, uma falha, e eu realmente nunca vou conseguir chegar em nenhum lugar... Não tenho motivo nenhum para continuar. Até quando vou aguentar? Até quando...
Estou morta faz tempo, e não tem nada que me faça reviver...

5 de maio de 2016

Sem Luz


Queria poder enxergar a vida de outra maneira. Queria poder dizer, que adoro viver. E que faço da minha vida, um bom exemplo. Queria poder vir aqui e dizer, que quero viver, que amo viver, e que tudo nessa vida vale.   Mas não... Estou demorando de vir postar, talvez eu nem venha mais, ou venha menos, ou nunca mais...E vir aqui para quê? Para dizer o quão na merda eu estou? E derramar escuridão no meu próprio blog?  A minha mente está emabaralhada. Num momento dou risada com algo que leio, ou que vejo, no outro estou com a lâmina na mão me retalhando. Num momento estou louca para emagrecer, e com vontade, na outra estou devorando um biscoito. Num hora sinto que tenho pelo uma pessoa para conversa, na outra sinto que não tem ninguém. É horrível viver entre a cor, e o preto e branco. Sou uma pessoa instável, não digo isso com valor, digo que não sou confiável. Hoje possoe estar aqui, escrevendo isso. E amanhã posso estar num caixão qualquer. Não vejo valor em nada, e em ninguém... O meu esposo me mantenha da maneira que ele consegue. Fico feliz por pelo menos, ele ainda não ter me abandadonado... Não sei.... Preciso de um tempo, preciso de uma droga, qualquer coisa que faça minha mente dormir, pra eu poder tentar viver. Mas não está fácil, nunca foi, mas cada dia piora mais... Eu só queria poder tirar tudo isso, eu sou um erro, uma mancha, um caos, uma coisa torta... uma coisa doente. É isso aí que eu sou..



2 de maio de 2016

Fast-

Estou me sentindo só, e com muita dor em dizer isso, me sinto carente. Ah. Eu odeio essa palavra, para ser bem sincera, queria tacar fogo nela. Mas admitir faz parte, então estou sim, me sentindo sozinha...Enfim... Queria dizer que o post sobre a minha dieta do mês está na barra lateral. Caso ainda não conseguiu achar clique aqui. Não é nada demais, como eu falei no último post. Ainda falta colocar algumas coisas lá, mas o que deu pra fazer por hoje foi isso. - 
L. 

1 de maio de 2016

I hate myself

Nem sempre estou estérica por vestir uma calça jeans, e me sentir uma dessas popozudas da tv. Mas hoje, logo hoje me senti assim... Confesso que esses últimas dias toquei-foda-se, comi o que eu queria, quando queria, a hora que eu queria. Sou assim um acúmulo de fracassos... Pensei em chorar, pensei em gritar, mas tudo que eu fiz foi pegar um moleton e vestir. Não tenho tempo para ficar de luto pela minha falha. Estou no centro na da minha cidade, cansada, gelada, popozuda, e tem um sorriso diabólico em cada pessoa que eu olho. Não ligo quando minha fala sobre a festa de hoje á noite. E nem quando ela me pergunta se quero abóbora. Num piscar de olhos já estou em casa, gelada, popozuda, com o pé no chão, parada em frente ao espelho. Ok. Encaro a minha imagem, e me vejo uma dessas obesas ( como no programa Quilos mortais ), eu sei que não posso me comparar. Mas o t.a não me deixa ver que estou "saudável", o que vejo é uma mulher gorda. Viro de lado, de frente e me olho de costa. Anotações mentais: 1. minha barriga não está gigante. 2. minhas coxas estão gigantes. 3. minha bunda está enorme << penso que eu seu fosse uma dessas mulheres. poderia ganhar dinheiro com ela >> quero vomitar. 4. me sinto inchada. Em poucos segundos, fecho o espelho visto uma calça enorme, e uma blusa de manga enorme. Quero chorar, quero morrer... 
Mas novamente não posso chorar. Sento na beira da cama, a minha cabeça tá um rio de confusões. Pego o caderno empoeirado e vou fazer minhas anotações. Dieta. ( pensando ). Lista de Alimentos. Ok. Proibições. Ok. Exercícios. Ok. Logo estou criando novamente planos para seguir, metas, alimentação, links para ler. Não quero ser gorda.  NÃO QUERO SER GORDA!! 
Eu sei, minha cabeça não está boa. Talvez nunca esteve, ando esquecendo as coisas. Ando me fechando cada dia mais. Hoje era para eu estar neste exato momento em uma festa. Os meus parentes estão lá, minhas primas, tias, primos, e tios. Estou em casa, a televisão está ligada... Não quero sair, não quero socializar, não quero fingir, quero minha cama, meu quarto. Mesmo na companhia dos monstros, eu prefiro eles, do que eles. Só quero ficar aqui...  |||| Eu realmente fiz planos para este sobre a dieta. Não é nada demais, é uma dieta, um plano de exercícios semanais. Não quero ficar pior que já estou, se tratando do meu corpo físico. Então vou esforçar... ( 02/5 ) - Pretendo postar sobre ela, só caso alguém queira saber mesmo. Porque sendo bem sincera, estou com medo de falhar. Mas não posso, preciso ser forte. Como não sei, só sei que preciso. Pelo menos nisso...