26 de junho de 2016

Fragmentos de memórias

Alguns dias tem sido repetidos, outros tem sido um mártir. Não á nada de novo, ou de importante para ser dito. É como se minha "vida" fosse uma fita que se repete todos os dias. Eu me olho no espelho, e sinto vontade de chorar. Olho fundo nos meus próprios olhos castanhos escuro, e só vejo o negrume. Não á nada dentro de mim, sou vazia, oca sem nem um tipo de sentimento. Minha vida acabou, de maneira simples.... Ela me carregava em seus braços. Apoiou sua mão sob minha cabeça, e me disse que tudo ficaria bem. Enquanto ela fazia força, em suas pernas jovens, em tentar subir uma leve ladeira. O pavor e a dor, tomou conta do corpo de uma garotinha. Se aproximando daquilo, que ela dizia que seria meu "lar". Eu chutei ela, e me debati dizendo que não queria ir pra lá. Mas ela não me ouviu, uma sombra preta entrou pelos ouvidos da mulher que se dizia minha mãe. Eu continuei a me debater, a lutar, a gritar. Mas quando ela chegou no portão cor de grafite. Ela me trancou em um inferno na terra. Eu morri ali, por volta de 6 anos de idade. Eu não morri ontem, ou ano passado, eu morri faz tempo. Não tem nada dentro de mim, e aquilo que tem não precisa ser visto. Eu criei camadas grossas de máscaras firmes. Ninguém vê que eu estou morta, ou que dentro dos meus olhos habitam apenas escuridão. Estão ocupados demais querendo ocupar uma vaga, na melhor vida do ano. Eu não os culpo, talvez se a tal vida não tivesse me comido, e cuspido as sobras de mim, eu também estaria disputando a "melhor vida do ano". Então porque me notariam? 
Eu tenho ficado mais tempo no meu quarto. As aranhas saem dos esconderijos delas, e acariciam meu cabelo, riscam minha pele, e me morde espalhando seu veneno. O veneno atinge em cheio meu cérebro, e a dor é tão insuportável, que eu poderia vomitar. Me encolho em meio á 5 cobertores, enquanto minhas lágrimas molha meus lençóis pretos. E todo é uma luta diária, entre mim e a minha mente. E sempre, é ela que vence. Porque meu corpo está morto, e ela só quer que eu tenha forças o suficiente para que eu termine a obra de arte dela. 


14 comentários:

  1. O que houve nessa época? ... 6 anos.. Algo sobre ir para escola? O que houve lá? :(

    ResponderExcluir
  2. sinto tanto lua ><' se pudesse abrir os olhos de qm se diz sua mãe, para fazê-la enxergar ><'

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela não enxerga nada, e se exerga... finge não ver

      Excluir
  3. ❤ Amor,
    andei lendo uma coisas sobre a mente teoria de Budda
    ele ensina que a mente é algo completamente diferente do cérebro,é como se fosse o disco rígido de um computador ,ele sempre poderá ser mudado ,mas dependente da máquina sempre pra enviar e receber as informações necessárias para que comandem td o organismo,sei que não quer ficar lá na escuridão e é essa nossa luta,eé como o disco rigido saca só ,a memória vai ficar ali mas sempre há uma chance de mover algo hoje .Td se ajeita,bjsss e mt paz nesse coração sensível e de amor ❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O meu disco rígido está quebrado eu acho :c

      Excluir
  4. Tem muita coisa ainda pela frente. Se você está se sentindo vazia, se preencha. Você existe e precisa viver. Desapega do passado, tenta desapegar e viver o presente.

    ResponderExcluir
  5. Olá, Lua querida. <3
    É uma pena que sua mãe tenha feito algo desse tipo com você. Há coisas que nos fazem quando somos crianças mas que infelizmente carregamos para o resto da vida. E isso é o que os pais parecem nunca entender. Por isso não quero ter filhos. Sei que jamais seria capaz de faz~e-los felizes e nem de ser feliz os tendo...

    Continuo aqui te desejando o melhor e que um dia você consiga se reerguer e mostrar para todos, inclusive para si mesma, que ótima pessoa você pode ser! E que sim, você merece ter uma vida boa! ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Roxy ....
      Não creio que eu vá muito longe mas...

      Excluir
  6. Seus textos acabam comigo, meu coração fica pequeno e apertado e tudo o que eu penso é em te dar um abraço bem apertado. Somos os zumbis da vida real . Mas conte-me melhor, o que aconteceu aos seus 6 anos,foi algo parecido com a minha história .. quando eu tinha por volta dos 11 ? você sabe do que estou falando né ? e ainda dizem que crianças não tem problemas. Mas quero que saibas que não estás sozinha, me preocupo de verdade com você Lua.

    Se cuida viu <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não consigo falar dessas coisas... Estou com medo do que psiquiatra possa escavar de dentro de mim

      Excluir
  7. Oi Lua!

    Não sei quem foi, nem o que fez (imagino), mas a simples informação de que alguém teve a indecência de machucar uma criancinha de 6 anos, é o suficiente para que eu sinta nojo e ira.
    Aliás, poucas coisas me tiram do sério como crimes contra crianças, me transformo em alguém que vocês desconhecem.

    Infelizmente traumas na infância acarretam em danos psicológicos que afetam a vida adulta, uma desgraça quando o cérebro ainda está em formação pode ser a raiz de todo mal.
    Você sabe que o psiquiatra vai arrancar cada camada das máscaras e chegará neste ponto, é importante que você não omita essas malditas lembranças, por mais dolorosas que sejam, trazê-las à luz da medicina é a tua única chance de dissipar essas trevas da tua vida.
    Continue relutante, se você chegou até aqui, é porque tem forças para vencer.


    Beijo da Anita ❤

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É O QUE REALMENTE ESTÁ ACABANDO COMIGO...
      Eu não consigo me concentrar em muita coisa, e de repente estou lá pensando em como será, em como vou me sentir. Eu queria fugir de casa e sumir, mas como vou sair sem dinheiro. ( nem se quer eu trabalho para fazer isso ) :<
      Fora que penso no Duda também. Minha cabeça tá um caos, ouve algum tipo de guerra ;(

      Beijos <3

      Excluir

Gentiliza gera gentileza, por favor respeite meu diário. Deixei seu nome e o do seu blog, que lhe faço uma visita assim que puder.
Obrigada <3