23 de julho de 2017

Floresta negra

Ela estava perdida em uma floresta, não sabia o que fazer. Não sabia quem ela poderia pedir ajuda. Estava frio, ela precisa de casaco, e de roupas quentes. Mas ela nem sabia que caminho seguir para poder ir para casa.
A floresta negra, cobria seu corpo e calava sua voz. Ela sabia que alguém há observava de longe. Mas não fazia ideia se era uma coisa amigável, ou se era algo ruim. Vozes ecoavam na sua cabeça, enquanto a floresta engolia suas palavras de socorro. Ela pedia incansávelmente para as vozes pararem, mas quanto mais ela implorava, mais as vozes ficavam mais altas. Decidiu sentar embaixo de uma árvore muito grande. Sua camisola estava suja de terra fresca. Pequenas gotas de orvalho, caiam sobre seus cabelos. Suas lágrimas eram quentes, mas seu coração era vazio. Tão vazio, quanto a floresta que ela estava. Sentia-se acuada naquele lugar, e "aquilo" continua a observa-la. Cada vez mais perto. Um arrepio subiu nas suas costas, e leve toque morno tocou seu ombro. Ela olhou para todos lados, mas não haviam ninguém, apenas ela e as árvores silenciosa. Além das vozes que ela escutava... Sussurros, que a deixavam totalmente amedrontada. A solidão daquele lugar era seu único amigo. Ela abraçou e deixou a solidão tomar conta de cada parte do seu corpo. Ainda sentada aos pés da árvores, choramingou, e sua lágrimas escorriam pelo seu rosto. Não tinha amigos, nem família, não havia ninguém que poderia/ou gostaria de ajudar. Fraca, com fome, com sede, definhava ali sozinha. Chorava baixinho, pois sabia que não podia gritar. Afinal ninguém iria ouvir mesmo.  E também já era tarde demais, pois ela já fazia parte daquele lugar. 

20 de julho de 2017

Notas de um diário rasgado #3

05.07
Mais um dia apenas tomando café da manhã. Ainda não senti aquela fome de se encolhe na cama. Mas senti a barriga roncado pedindo comida, já uma vitória.

10.07 - manchas de sangue-
Passei mal na viagem. Senti uma enorme vontade de chorar. O clima estava super pesado por causa da minha tia L.Isso me afetou demais, e olhe que a briga nem foi comigo. Só queria morar  bem longe delas.

11.07- manchas de sangue-
Algo me acorda... e me puxa pelos braços para acordar. Coma bolo a voz diz. Obedeço e desço as escadas, e como o bolo. Eu não estava com fome, era simplesmente para me humilhar. (mio tudo) Tento chorar mas os antidepressivos sugaram minhas lágrimas. Aranhas se envolvem nos meus cabelos quando eu me deito, e trança mentira. " Você nunca vai conseguir."; "Fraca::: Inútil:::Feia:::Gorda:::" Flores negras perfuram minha pobre alma. Minhas mãos seguram uma lâmina que já foi usada várias e vária vezes. Aranhas se envolvem na minha mão, e me fazem rasgar minha pele deixando o leite vermelho escorrer...

14.07 - manchas de sangue-
Pois é a Lua não fez nada que escreveu. A Lua comeu, e comeu. Mas a Lua precisa perde 5 kg este mês. Ou seja a Lua precisa ficar sem comer. Lua gorda.

19. 07
Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.Eu sou uma falha.



4 de julho de 2017

Obediência

Eu sei que estou sumida, e que nada que eu diga vai mudar. Mas a verdade é que ando totalmente sem vontade de viver, sinto me como se estivesse nos últimos dias da minha vida. Os cortes voltaram cada vez mais fundo, cada vez maiores, cada vez mais doloridos. As noites são longas, pílulas descem pela minha garganta e me fazem ver o arco íris em meio a sangue a cinzas de cigarro. Parei de vez de comer, lfs não estavam ajudando, então não como. Viver a vida saudavelmente, também não. Então que assim seja, vou morrer de fome. Sinto ela me abraçando, devagar, suavemente enquanto se enrola nos meus ossos. Ela quer obediência, ela quer sinceridade, e eu vou dar tudo para ela. Em troca ela vai me dar números, sorriso, leveza, é só isso que importa mesmo.