23 de julho de 2017

Floresta negra

Ela estava perdida em uma floresta, não sabia o que fazer. Não sabia quem ela poderia pedir ajuda. Estava frio, ela precisa de casaco, e de roupas quentes. Mas ela nem sabia que caminho seguir para poder ir para casa.
A floresta negra, cobria seu corpo e calava sua voz. Ela sabia que alguém há observava de longe. Mas não fazia ideia se era uma coisa amigável, ou se era algo ruim. Vozes ecoavam na sua cabeça, enquanto a floresta engolia suas palavras de socorro. Ela pedia incansávelmente para as vozes pararem, mas quanto mais ela implorava, mais as vozes ficavam mais altas. Decidiu sentar embaixo de uma árvore muito grande. Sua camisola estava suja de terra fresca. Pequenas gotas de orvalho, caiam sobre seus cabelos. Suas lágrimas eram quentes, mas seu coração era vazio. Tão vazio, quanto a floresta que ela estava. Sentia-se acuada naquele lugar, e "aquilo" continua a observa-la. Cada vez mais perto. Um arrepio subiu nas suas costas, e leve toque morno tocou seu ombro. Ela olhou para todos lados, mas não haviam ninguém, apenas ela e as árvores silenciosa. Além das vozes que ela escutava... Sussurros, que a deixavam totalmente amedrontada. A solidão daquele lugar era seu único amigo. Ela abraçou e deixou a solidão tomar conta de cada parte do seu corpo. Ainda sentada aos pés da árvores, choramingou, e sua lágrimas escorriam pelo seu rosto. Não tinha amigos, nem família, não havia ninguém que poderia/ou gostaria de ajudar. Fraca, com fome, com sede, definhava ali sozinha. Chorava baixinho, pois sabia que não podia gritar. Afinal ninguém iria ouvir mesmo.  E também já era tarde demais, pois ela já fazia parte daquele lugar. 

9 comentários:

  1. A vida é o labirinto do que eu sinto.
    GK

    ResponderExcluir
  2. Você ainda esta aqui, não acabou minha Lua,Vai ficar tudo bem!
    Te adoro.
    você é importante...(sabe que se não fosse eu nem diria nada)
    bjs

    ResponderExcluir
  3. Perdida em uma floresta, perdida em uma praia, em um shopping, em casa.
    As vezes parece que a gente nunca sabe em que direção ir.

    Saudades, Lua!

    ResponderExcluir
  4. Amo seus textos, mas me dá uma vontade de colocar um final feliz. É um medo, quase um desespero, como se minha própria história/vida fosse terminar mal.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tem que se desculpar, são sua arte e tocam profundamente as pessoas, tem que se orgulhar!

      Excluir

Gentiliza gera gentileza, por favor respeite meu diário. Deixei seu nome e o do seu blog, que lhe faço uma visita assim que puder.
Obrigada <3