26 de agosto de 2017

Como contar pra sua "melhor amiga" sobre ter um Transtorno mental #10

Esse post pode sair meio confuso, desculpa por estar escrevendo um post em cima do outro. Sei que é cansativo ler, mas acho que este post tem muita importância para quem contar sobre algum transtorno mental. Não só borderline. Vou contar minha experiência.
Como vocês já sabem dia 24/08 mãe minha soube que eu sou borderline. Para ela foi um baque, pois minha mãe acha que é perfeita. Que é a mãe perfeita. E isso caiu como uma verdadeira bomba no cérebro dela. Eu não tive dó. Fiquei semi nua na frente da minha mãe depois de 6 anos. Ela viu cada centímetro do meu corpo, e viu uma mulher que luta contra si mesma. Ela chorou, passou mal, sentiu como se o mundo estivesse caindo sobre sua cabeça. Nenhuma mãe quer que sua filha se corte, e tente suicídio, ou qualquer outra coisa do tipo. Hoje em dia ela meio que se acostumou, sabe que eu me isolo, e que minhas constantes fases de humor são terríveis. É óbvio que eu não contei o mais importante, quem já leu postagens minhas antigas deve saber, ou fazer ideia do que houve na minha infância. Por "n" motivos, não estou pronta para contar esse tipo de coisa.

No dia que ganhei o tal presente da minha prima. Me emocionei, e senti que deveria contar sobre os cortes. Ela já sabia que eu era borderline, mas como eu já imaginava, ela não pesquisou o que é. Então eu tentei falar da maneira mais calma e sutil sobre o assunto. Primeiramente eu disse pra ela, que precisa "confessar algo". E que não era fácil pra mim, disse que ela precisava sentar. E ela já ficou com medo. Contei que quando fico com raiva, ou triste, ou com qualquer tipo de sentimento, ou até a ausência de sentimento, eu me machuco. Bati uma foto do meu braço esquerdo, e mandei. Ela demorou um pouco de responder, e depois, disse "você se corta?".
Eu respondi que "sim". Ela começou falar uma montanha de coisa, que meu marido me ama, que ela me ama, que minha mãe me ama, que todo mundo ( todo mundo quem? ) Quantas vezes eu passei horas no banheiro me cortando, e minha mãe nem se quer foi perguntar se eu estava bem?  Quantas vezes ela mesma me magoou, eu me cortei por culpa dela. Quantas vezes o Duda agiu de forma grossa, e eu me machuquei por conta da atitude dele. Ela falou muito, mas MUITO sobre Deus, sobre o quanto eu preciso ter fé. Confesso que me irritei. Mas não disse nada, além de "amém" ela sempre achou que sou de pouca fé. Não queria contraria-la. Uma coisa que ela me disse me fez pensar no quanto somos diferentes, ela me disse "Eu não aceito derrota". Mas eu não sou ela. E o que eu tenho não é uma coisa passageira, é um transtorno mental. Que precisa ser avaliado, cuidado, tratado. Se me arrependi de ter contado, em partes sim. E outras não, já estava na hora dela saber. Pois todas vezes que ela me chamava pra ir na casa dela, eu desvia dos convites. E agora ela sabe que não tem nada haver com ela. É difícil, mas as vezes é necessário. Não falamos sobre o assunto, é como se eu não tivesse contado nada pra ela. Não sei bem, como reagir a tudo isso. Mas por um certo ponto, eu tirei um peso das costas. Para quem quer se abrir com alguém, eu dou a dica de pensar muito. Muito mesmo, para não se arrepender. Lembre-se que nem sempre a pessoa vai reagir da forma que você quer.


12 comentários:

  1. Entendo como é difícil contar para as pessoas sobre nossos problemas, principalmente os pais, eles acham que é "frescura", que você não tem motivo para fazer isso porque nunca passou fome, nunca "sofreu" na vida, etc. Mas é muito bom desabafar mesmo que seja criando um blog, é por isso que eu amo tanto a comunidade A&M em geral, pois aqui não encontramos julgamentos, a gente encontra amizade e compreensão.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Karine.
      O mundo A&M, não julga, ajuda mais do que os de fora. As vezes tem uns anonimos que só por deus, mas a gente ignora. O porque a grande maioria, são ótimas pessoas ! ^^

      Excluir
  2. No teatro da vida, nem sempre é fácil parar de atuar.
    GK

    ResponderExcluir
  3. Achei corajosa sua atitude, Lua! E por mais que ela não tenha tido uma reação de que você esperava, e tenha te irritado, pense que você confiou nela, falou sobre algo íntimo, difícil, que não é fácil falar, que muitos não conseguem, inclusive não é pra qualquer pessoa que nos abrimos assim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Ale.
      Eu me sinto de certo modo aliviada em ter falado. Porque sabe, se algo acontecer um dia ( como um suicidio ) eu gostaria que ela soubesse o motivo.

      Excluir
  4. Lua, as pessoas não agem como gostaríamos. Nós também não agimos como elas gostariam. Cada um é de um jeito e age conforme o que pensa ser o correto naquele momento. Estamos todos tentando acertar. E estamos todos cometendo alguns erros no meio do caminho. Não adianta culpar ninguém, e sim contarmos com nós mesmos pra sermos os maiores responsáveis pelos acertos das nossas vidas, nossas atitudes...

    ResponderExcluir
  5. Olá! Tudo bem?
    Primeiramente gostaria de agradecer o seu comentário lá no meu blog.
    Eu tento imaginar o quanto deva ser difícil falar desse assunto pra uma pessoa tão próxima a ti. Mas fico feliz que tenha dado o primeiro passo, agora,esperar o tempo certo pra contar cada pedacinho que falta.
    Não deixe de visitar o meu:
    http://venenosdepelucia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Verdade Ceci, -.-
      Eu sou daquelas que acha que certas coisas devem morrer comigo sabe. :/

      Beijos da Lua amora, não deixarei

      Excluir
  6. o certo é não contar para pessoas que são mais distantes, mãe, pai e parceiro é inevitável, porém as outras pessoas é melhor esconder mesmo, porque elas julgam a situação em base no que acreditam, e não em base no que você diz, e ai se a pessoa é religiosa é coisa "do capeta" ou "falta de fé", se é egoísta "você quer fazer isso", "é culpa sua", mas a maioria te aponta como louco... e esses julgamentos só pioram as coisas... se a pessoa não passou por algo parecido, ela não vai saber o que é, provavelmente não vai ter empatia e então... te julgar mal...
    aprendi isso por experiência...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ela falou de deus até umas horas, devia ver minha cara Cecy, senh ooooor da bicicletinha manca. Mas eu relevei, e escutei calada. -.-

      Excluir

Gentiliza gera gentileza, por favor respeite meu diário. Deixei seu nome e o do seu blog, que lhe faço uma visita assim que puder.
Obrigada <3